1.400 refugiados ucranianos já têm contrato de trabalho em Portugal

  • Lusa
  • 27 Abril 2022

Ministra do Trabalho anuncia que já foram celebrados contratos de trabalho com 1.400 refugiados ucranianos, e salienta que 10% das pessoas a contribuir para a segurança social são estrangeiros.

A ministra do Trabalho anunciou esta quarta-feira que foram celebrados contratos de trabalho com 1.400 refugiados ucranianos que vieram para Portugal fugidos da guerra, havendo cerca de 29 mil ofertas de trabalho espalhadas pelo país.

“Temos já 1.400 contratos de contrato de trabalho celebrados com estes cidadãos ucranianos”, anunciou a ministra Ana Mendes Godinho numa audição na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças sobre o Orçamento do Estado para 2022 nas áreas que tutela.

Ana Mendes Godinho acrescentou ainda que há “29 mil ofertas de emprego espalhadas por todo o país para cidadãos ucranianos”, que fugiram do país depois da invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro.

Durante a audição, que está a decorrer no parlamento, a ministra salientou ainda a importância de todos os cidadãos estrangeiros no mercado de trabalho nacional, que assim contribuem para a estabilidade da segurança social: “Neste momento, 10% das pessoas que estão a contribuir para a segurança social são estrangeiros e fazem parte deste esforço coletivo”, com as suas contribuições para a segurança social.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

1.400 refugiados ucranianos já têm contrato de trabalho em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião