Governo tem margem para negociar OE, mas não acredita em voto a favor do Bloco e PCP

  • ECO
  • 28 Abril 2022

Ministra Ana Catarina Mendes diz que há margem negocial, mas não acredita que os antigos parceiros de geringonça queiram mudar o seu sentido de voto (contra) sobre o novo Orçamento.

A ministra adjunta e dos Assuntos Parlamentares garante que “maioria absoluta não é poder absoluto” e abre a porta a negociações com os partidos com representação parlamentar. No entanto, em entrevista ao Público, diz que não acredita que os antigos parceiros de geringonça queiram mudar o sentido de voto (contra).

“Não acredito que o PCP e o BE votem este OE que não votaram em outubro”, afirma Ana Catarina Mendes, sinalizando que o novo documento “tem propostas que foram negociadas com o PCP” e que “o BE não quis participar nas negociações”. A antiga deputada garante ainda que este Orçamento “não é um OE da austeridade, nem de contração, antes pelo contrário”.

Ana Catarina Mendes deixa também críticas à tomada de posição dos comunistas sobre a guerra na Ucrânia: “O que é triste é mesmo a posição do PCP face a este conflito”, lamenta Ana Catarina Mendes, acrescentando que a posição dos comunistas a deixa “absolutamente perplexa”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Governo tem margem para negociar OE, mas não acredita em voto a favor do Bloco e PCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião