Portugal reitera “não” ao carvão, após “sim” da Alemanha

Alemanha e Áustria decidiram reativar as respetivas centrais a carvão para fazer face aos cortes no gás russo. Portugal continua a colocar o regresso a esta energia fóssil fora de hipótese.

O ministério do Ambiente e da Ação Climática afirma, em declarações ao ECO/Capital Verde, que se mantém a posição já defendida, de que Portugal não pretende voltar a recorrer ao carvão para a produção de eletricidade, numa altura em que a Alemanha anunciou que vai reativar as suas centrais a carvão para fazer face às necessidades criadas pelas sanções russas ao país.

“Não pretendemos reativar as centrais a carvão que tantos, tantas vezes, insistem que consideremos. Os defensores de uma economia dependente e de uma descarbonização adiada nem pensam no preço absurdo que a eletricidade atingiria, tendo em conta os seus custos da produção, e também não consideraram a falta de segurança que representaria a dependência de um mercado, o do carvão, dominado pela Rússia”.

Estas declarações, proferidas pelo ministro do Ambiente, Duarte Cordeiro, no passado mês de abril, são reiteradas por fonte oficial do ministério no contexto atual, em que a Alemanha e a Áustria regressam ao carvão para a produção de eletricidade.

Portugal não produz eletricidade a partir de carvão desde o final de novembro de 2021, quando se deu o encerramento da central termoelétrica do Pego, a última em atividade no país, depois de a central de Sines ter sido encerrada em janeiro do mesmo ano.

Berlim anunciou este domingo que vai aprovar um conjunto de medidas para mitigar os efeitos negativos dos cortes ao fornecimento de gás que foram avançados pelo Kremlin. Uma dessas medidas é a reabertura das centrais a carvão paradas, de forma a garantir a geração de eletricidade. Nas contas do Executivo alemão, incluir o carvão no mix energético do país pode adicionar até 10 gigawatts de capacidade em caso de uma situação crítica no fornecimento de gás.

Na Áustria, o chanceler anunciou que o Governo vai trabalhar com o grupo Verbund, o maior produtor de energia, para retomar a produção na central da cidade de Mellach, onde se situa a última unidade a carvão a operar na Áustria, desativada em 2020.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal reitera “não” ao carvão, após “sim” da Alemanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião