Fórum Nacional de Seguros reúne 1200 profissionais

  • ECO Seguros
  • 5 Julho 2022

O primeiro dia do Fórum Nacional de Seguros contou com a presença de mais de 1200 profissionais. O evento, organizado pelo ECOseguros e pela Zest , termina esta quarta-feira na Alfândega do Porto.

 

A Alfândega do Porto recebeu os profissionais com espaços de exposição para parceiros e conferências com temas em foco no setor segurador.ECO

A Alfândega do Porto recebeu esta terça-feira mais de mil e duzentos profissionais no primeiro dia do Fórum Nacional de Seguros (FNS), organizado pelo ECO Seguros e pela Zest. O evento, que vai continuar esta quarta-feira, reúne mais de 30 agentes, corretores, seguradores, reguladores, prestadores de serviços, insurtechs e outras empresas ligadas ao setor dos seguros, não só portuguesas como internacionais.

As portas abriram às 09h00 com a sessão de boas-vindas ao FNS e, depois, seguiram-se oito palestras, onde se reuniram profissionais para falar de variados temas, desde a proteção de dados, cibersegurança, tecnologia e digitalização até aos desafios das seguradoras relativamente a vários temas, entre os quais o pós-covid, a guerra e a inflação.

A Associação Portuguesa de Seguros (APS) foi um dos parceiros presentes no evento e destacou, no seu stand, algumas ferramentas que disponibiliza aos clientes. Temos um conjunto de QR Codes, através dos quais as pessoas podem ter acesso a publicações na área da literacia financeira, a fim de fomentar uma maior literacia nos seguros, mas também a ferramentas que desenvolvemos, como o simulador de custos de construção por metro quadrado, que pode ser experimentado aqui no nosso stand”, disse José Galamba de Oliveira, presidente da APS.

Já o stand da Berkley, também presente no evento, deu destaque a todas as características particulares da empresa, principalmente as relacionadas com o lado financeiro. “A Berkley Portugal está apenas há 3 anos em Portugal e trabalha linhas financeiras, por isso basicamente o que estamos a destacar são as nossas características, as linhas que estamos a trazer para Portugal, que são basicamente linhas financeiras”, afirmou Frederico Gil, responsável comercial da Berkley em Portugal.

Também a enaltecer o lado financeiro dos seguros estava o stand da Unipeople, que destacava a importância de deixar claro que falar de seguros é falar de dinheiro. “Quando falamos de seguros devíamos estar a falar de dinheiro, só que a maior parte das pessoas fala de seguros, mas não percebe o que isso significa. Seguros são dinheiro, são poupança, são a capacidade de nós termos poupanças imediatas disponíveis por um custo muito baixo, que é partilhar o risco, mutualizar o risco”, disse Igor Brito, CEO do grupo Unipeople.

Seguros de pessoas para pessoas

Por sua vez, Jorge Oliveira, representante da RandTech para a área dos clientes, aproveitou o momento para destacar o produto que a empresa está a desenvolver há sete anos, vocacionado para a gestão integrada de seguradoras: “Temos também como objetivo de curto prazo desenvolver produtos para a área de mediação e, neste momento, o nosso foco é o ERP para as seguradoras”.

A PréVoir, que se dedica aos seguros de vida e seguro de pessoas, foi outra das empresas com stand no FNS. Paulo Silva, diretor de desenvolvimento comercial da PréVoir, explicou que o destaque do stand é precisamente a oferta da empresa para pessoas, “quer para os segurados, quer para os parceiros que também estão aqui presentes”.

A mesma linha de oferta de seguros é partilhada pela ASISA, uma seguradora de vida e saúde, que viu neste evento a oportunidade as particularidades do seguro de saúde que oferece. “Queremos destacar neste fórum o primeiro ano de lançamento do seguro de saúde em Portugal (onde estamos há apenas quatro anos), que é um produto que se distingue por não ter limites de capital e é uma solução completamente nova no mercado português”, anunciou Ana Sousa, coordenadora comercial da ASISA.

A destacar uma área mais distinta, mas igualmente necessária, estava o stand da Semper. David Sousa, diretor da Semper, explicou que o principal foco da empresa é em transportes e logística e também no setor agrícola. “Por isso, trazemos algumas soluções dos mercados alemão, inglês e holandês, que fornecemos em exclusividade (algumas em semi-exclusividade), em mercado nacional, nas quais fazemos toda a gestão”, disse.

“Captar agentes e estabelecer novas relações”

“Nós vimos esta oportunidade como uma forma de voltarmos a estar com os nossos clientes, trazermos as nossas soluções mais atuais, que é algo que os clientes também já conhecem”, começou por dizer Helena Leite, COO da Cleva Inetum, que ainda apresentou os serviços em destaque no stand da empresa: “Trazemos os nossos produtos para seguradoras de vida e não vida e soluções de digitalização que temos vindo a desenvolver nos últimos anos e que são a aposta para a modernização do software das seguradoras”.

Por sua vez, Nuno Santos, administrador da Diagonal, reconheceu que o objetivo da presença da empresa neste evento é “captar agentes e estabelecer novas relações” para poder expandir o negócio com base na rede de agentes”. “Basicamente o target desta nossa presença é estabelecer relações e tentar que as pessoas se sintam entusiasmadas para trabalhar connosco e pertencerem à nossa família”, acrescentou.

A mesma intenção é partilhada por Paulo Gomes, diretor executivo da APROSE, que também encara o evento como uma oportunidade de evidenciar a importância dos mediadores de seguros: “Não podíamos deixar de nos associar a um evento com a grandiosidade deste fórum, organizado em boa hora, e também não podíamos deixar de aproveitar o momento para mostrar a importância da intervenção de um mediador em qualquer contrato de seguro”.

Já Rogério Campos Henriques, CEO da Fidelidade, afirmou que aproveitaram o fórum para destacar as ofertas mais inovadoras em riscos emergentes e outras novidades que causam disrupção ao mercado. “Coisas como a Multicare Vitality, que dá recompensas aos nossos clientes por fazerem exercício físico, o nosso seguro Cyber, direcionado a PMEs, o nosso seguro Pets, que está a ser um grande sucesso ao ponto de, hoje em dia, toda a gente já saber em Portugal que um seguro de saúde para animais é o da Fidelidade e, também, a Fidelidade Savings, que é uma solução inovadora para promover a poupança”, especificou.

A evolução da tecnologia no setor dos seguros

Além de seguradoras, o Fórum Nacional de Seguros também contou com a presença de várias empresas que facilitam a digitalização no setor dos seguros através da aplicação de novas tecnologias para promover a aproximação aos clientes e a facilitação de processos.

A Lluni Software é uma dessas empresas, já que desenvolve soluções informáticas para gestão de seguros. Miguel Pinheiro, diretor comercial da Lluni, explicou que a presença da empresa no fórum visa apresentar a mais recente inovação da empresa: “Trata-se de um simulador de emissões de apólices online, dentro da nossa solução. Neste momento, os nossos clientes mediadores multimarcas exclusivos de várias seguradoras já não têm que entrar nos portais das companhias para poderem efetuar simulações e emissões”.

Por outro lado, a Milenia, também presente no fórum, destacou uma ferramenta de programação que tem vindo a desenvolver ao longo de 25 anos. “Nós temos vindo sempre a acompanhar o processo das seguradoras para ter sempre a melhor ferramenta para os nossos clientes. A ideia é que eles estejam sempre atualizados, de forma a poderem potenciar o negócio deles e o nosso também”, referiu Mário Francisco, responsável pela Milenia.

Alexandre do Monte Li, diretor geral da Infosistema, uma consultora tecnológica, também ressalvou os 20 anos de apoio que a empresa oferece a seguradoras na área tecnológica. “Temos ajudado, especialmente as seguradoras, com aplicações de transformação digital, nomeadamente simuladores, portais, aplicações móveis mais ligadas para o cliente final, mas também a nível interno aplicações de suporte às operações”, disse.

Com menos tempo de existência, mas com grandes inovações tecnológicas para o setor de seguros, a Libax aproveitou o stand no FNS para destacar o produto que estão a desenvolver há 12 anos, nomeadamente uma aplicação que “pode ser configurada à medida dos clientes”. Com esta aplicação, Hugo Gonçalves, CEO da Libax, garantiu que os mediadores podem ter uma aplicação com a sua própria marca e disponibilizar essa aplicação aos seus clientes, com a sua imagem, potencializando uma proximidade e contacto em tempo real”.

Ainda com foco na área digital estava, também, o stand da Liberty Seguros. No entanto, apesar de admitir que as novas tecnologias eram o destaque da empresa no fórum, Rui Pio, responsável da zona Centro e Norte da Liberty Seguros, garantiu que isto não é sinónimo de um “abandono do presencial”: “Estamos a receber os nossos agentes hoje no nosso stand e a interagir com colegas da nossa profissão e de outras empresas de seguros, o que nos faz perceber a importância do presencial nesta nova forma de trabalhar com eles e de trabalhar com o cliente”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Fórum Nacional de Seguros reúne 1200 profissionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião