Itália aprova pacote de apoio de 17 mil milhões de euros para fazer face a inflação

Medidas não vão ter impacto significativo no défice do país por causa das receitas acima do previsto, adiantou o primeiro-ministro italiano. 

O Governo italiano aprovou um pacote de ajuda económica no valor de 17 mil milhões de euros, para ajudar a mitigar os efeitos da inflação, naquela que será uma das últimas medidas do primeiro-ministro Mario Draghi, que está de saída. Estas medidas não vão ter impacto no défice do país por causa das receitas acima do previsto, adiantou.

“O total das medidas é de 15 mil milhões com o decreto Aid bis, e com outras duas medidas adicionais perfaz 17 mil milhões, para além dos 35 mil milhões já aprovados”, sinalizou Mario Draghi, destacando que “vale mais de 2 pontos percentuais do PIB”, em declarações citadas pelo Corriere della Sera (acesso livre, conteúdo em italiano).

Entre as medidas encontra-se uma redução da carga tributária de 2% de julho a dezembro, a reavaliação antecipada das pensões em 2% até 35 mil euros, descontos nas contas e cortes nos impostos especiais de consumo prorrogados até 20 de setembro e ainda um novo aperto nos lucros extras.

Após a aprovação deste pacote, o primeiro-ministro italiano assegurou ainda que Itália está “preparada para aprovar mais medidas anti-inflacionárias, se tal for necessário”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Itália aprova pacote de apoio de 17 mil milhões de euros para fazer face a inflação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião