Duas gerações e 80 milhões de pares de sapatos exportados. O que ainda falta fazer no calçado?

No Porto, mais de 450 profissionais do calçado discutem o futuro da indústria. Fortunato Frederico e Luís Onofre, ex e atual presidente da APICCAPS, dizem que a mão-de-obra é um dos constrangimentos.

Fortunato foi presidente da APPICAPS durante 18 anos, Luís vai a caminho do seu segundo ano no mesmo cargo. Um é líder de uma das maiores empresas do setor (Kyaia), o outro é um dos rostos mais mediáticos do calçado de luxo em Portugal (Luís Onofre). O ECO desafiou os dois para falarem do setor que, a partir desta quinta-feira discute, no Porto, em congresso mundial, o futuro da indústria no plano internacional. O encontro reúne no Porto mais de 450 profissionais ligados a esta indústria que vêm de todo o mundo.

Fortunato Frederico e Luís Onofre representam duas gerações distintas mas com ideias semelhantes. Por um lado, Onofre quer o setor líder mundial das novas tecnologias e atrair jovens talentos. Por outro, Fortunato diz que há constrangimentos devido à falta de mão-de-obra. No entanto, ambos defendem a expansão para novos mercados, mas sempre com passagem pelos Estados Unidos. Duas gerações em discurso direto.

Atendendo aos tempos que correm e aos desafios no contexto da globalização, que grandes desafios tem o setor do calçado pela frente para os próximos anos?

Luís Onofre: Temos a grande ambição de ser líderes mundiais na utilização de novas tecnologias, criando uma nova relação com os clientes. Vamos investir 50 milhões nesse projeto. Depois, gostaríamos de ter mais empresas a exportar: temos um exército de empresas preparadas para isso, para um número crescente de mercados. Gostaríamos de duplicar as vendas para fora da Europa — representam agora 15% do total — na próxima década.

Fortunato Frederico: Diria que esta é a pergunta para um milhão de euros. Há um historial do setor do calçado. E nós, e falo pela minha empresa, a Kyaia, procuramos evoluir e estar cada vez mais competitivos, pelo que temos vindo a reforçar as nossas parcerias, quer com o Centro Tecnológico do Calçado, quer com a Universidade do Minho, quer com o INESC TEC (Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência), na medida em que o futuro exige mais conhecimento.

Há um novo paradigma na indústria, devido sobretudo à mudança estrutural que se vive ao nível da sociedade. Nesse sentido, desenvolvemos uma plataforma de vendas online para o setor, a Overcube, que pretende “apanhar” uma fatia dos mais de 80 milhões de pares de sapatos que o setor português exporta por ano. Para além das nossas quatro marcas — Fly London, Softinos, Foreva e Portuguesa –, contamos já com mais 15 a 16 marcas que se juntaram na plataforma. A Overcube arrancou há meses com uma equipa de 21 pessoas, e é um modelo de negócio em que podemos substituir salários mais baixos, do retalho, por salários mais altos, de pessoas com mais conhecimentos tecnológicos.

Um problema que tem sido transversal a todos os setores prende-se com a falta de mão-de-obra, qualificada e não só. O que está a indústria de calçado a fazer para dar resposta a este problema?

Luís Onofre: Na última década, o setor contratou 10.000 novos colaboradores. O emprego cresceu mais de 20%. Mas assumimos claramente que uma das grandes prioridades do setor passa por atrair uma nova geração de talento.

Fortunato Frederico: Todo o crescimento do grupo Kyaia está meio bloqueado por falta de mão-de-obra, quer pessoal qualificado, quer pessoal não qualificado. Temos planos de crescimento até 2024 mas há, de facto, estrangulamentos em todo o setor do calçado. Como é que isto se melhora? Não sei. Damos boas condições de trabalho, temos cantina e tínhamos até uma creche que, por falta de crianças, vamos transformar em centro de dia.

Ainda na questão da mão-de-obra, como é que se pode atrair jovens quadros para o setor?

Luís Onofre: Temos várias iniciativas com a nossa Academia. Temos muito trabalho em curso, com as escolas, na opinião pública, ações de rua e nas redes sociais, para atrairmos mais talento. E aspiramos a novos patamares de excelência.

Fortunato Frederico: Tem de haver uma maior ligação às universidades e aos centros tecnológicos. A Kyaia tem ainda o problema acrescido de estar localizada numa zona onde existem grandes companhias, fortemente capitalizadas e, para onde vão a grande maioria dos quadros, como é o caso da Bosch, por exemplo. Temos de concorrer com essa gente.

Que investimentos considera vitais, sobretudo atendendo às exigências da indústria 4.0?

Luís Onofre: Investimentos em novas tecnologias que acelerem os prazos de resposta, ações em matéria do digital, formação avançada e, naturalmente, criando uma relação mais próxima com os clientes finais. Vamos atuar em várias frentes.

Fortunato Frederico: Não penso que haja uma cartilha única, cada caso é um caso. Sobretudo tem de haver capital para investir e, depois, podemos beneficiar da imagem do calçado — que é boa — mas temos de cumprir com os prazos. O grande desafio, parece-me, é ter um quadro de pessoal estável, e não andarmos a desestruturar a fábrica do vizinho, pois isso vai desorganizar o setor. De resto, posso dar o nosso exemplo, que há 21 anos fomos para Paredes de Coura exatamente porque havia estrangeiros em Guimarães a roubar-nos quadros. E hoje estamos a assistir a um movimento semelhante, mas com portugueses.

Relativamente aos mercados externos, como está a aposta no mercado dos Estados Unidos? Esta aposta não fica condicionada às ameaças protecionistas de Trump?

Luís Onofre: A aposta nos EUA será sempre uma aposta a médio prazo. Este será o ano em que iniciamos definitivamente a abordagem ao mercado americano. Vamos fazê-lo em conjunto com os nossos colegas do vestuário. Encontramos na ANIVEC os parceiros adequados para promovermos esta ação conjunta, que desejamos que tenha um grande impacto. As nossas vendas para os EUA quintuplicaram na última década e acreditamos que a margem de crescimento para os próximos anos será significativa.

Fortunato Frederico: O que está em causa com a procura de mercados externos é a nossa sobrevivência, é a sobrevivência do próprio setor. Nos tempos que correm vivemos uma mudança estrutural, dantes as crises eram conjunturais, agora as crises são difusas, como costumo dizer, dantes sabíamos onde estava o gato e onde estava o rabo. Agora, nem do gato sabemos, quanto mais do rabo. Os novos mercado são instrumentos que temos para tentar fazer face a estes constrangimentos e o mercado americano pelo sua imensidão e pelo seu poder económico são vitais para o setor do calçado. Na Kyaia já vendemos nos 50 estados americanos. E o mercado dos Estados Unidos juntamente com o do Canadá, que para nós é um só, é já o primeiro mercado em termos de volume para a Kyaia, tendo mesmo ultrapassado o Reino Unido. Quanto a Trump, ameaça é não ter saúde, isso sim é uma ameaça. O resto vai-se contornando.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Duas gerações e 80 milhões de pares de sapatos exportados. O que ainda falta fazer no calçado?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião