Luís Onofre é o novo presidente da associação do calçado

A associação do calçado já tem novo presidente. Onofre, 46 anos, um dos empresários mais famosos do setor sucede ao carismático Fortunato Frederico. Os tempos são de continuidade.

Luís Onofre foi eleito presidente da Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS), sucedendo assim a Fortunato Frederico.

As eleições da associação do calçado foram as mais concorridas de sempre, sendo a primeira vez na história da associação que as eleições foram disputadas por duas listas. A votação contou com a participação de mais de 300 empresas, correspondentes a 1.600 votos.

Fonte oficial da APICCAPS adiantou ao ECO que “Onofre venceu com 41 votos de diferença”. A lista A, encabeçada por Onofre e que é vista como o projeto de continuidade, uma vez que mantinha elementos da direção de Fortunato Frederico, venceu assim por uma pequena margem.

Para além de Onofre concorria às eleições o empresário de Felgueiras, Sérgio Cunha, de 59 anos, líder do grupo Pedreira detentor da marca Nobrand.

A indústria do calçado — a mais sexy da Europa — fechou o ano de 2016 com exportações de perto de dois mil milhões de euros, um novo máximo histórico, estando a crescer há sete anos consecutivos.

Quem é Luís Onofre?

Luís Onofre é um dos empresários mais conhecidos da indústria do calçado. Com 46 anos de idade, Onofre pegou no negócio fundado pela avó — a empresa Conceição Rosa Pereira, de Oliveira de Azeméis, tendo criado a marca “Luís Onofre” dedicada ao segmento de luxo. O designer fatura 12 milhões de euros, com o preço dos sapatos a rondarem os 500 e os 600 euros.

A marca Onofre recebeu “uma ajuda externa” de mulheres famosas como Penélope Cruz, Letizia Ortiz, Michelle Obama, Paris Hilton entre outras. Hoje a marca Onofre é vendida em todo o mundo.

O empresário tem uma loja aberta em plena Avenida da Liberdade em Lisboa, e está em vias de abrir uma nova loja no Porto, na Avenida da Boavista.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Luís Onofre é o novo presidente da associação do calçado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião