Exclusivo “Não era sustentável” manter a oferta tarifária da Via Verdepremium

Líder da Via Verde, Eduardo Ramos, justifica mudanças nos preços para conseguir manter e somar soluções de mobilidade. 200 clientes já pediram para ficar só com portagens.

Dois dias depois de ouvir o Automóvel Club de Portugal (ACP) anunciar que “lançou mão dos mecanismos judiciais e legais à sua disposição”para impedir as alterações nas tarifas introduzidas pela Via Verdeno início deste ano, o CEO da empresa participada pela Brisa (75%) e pela Ascendi (25%), Eduardo Ramos, explica ao ECO o que motivou a reconfiguração da oferta,confiando que os clientes vão querer manter o acesso a todos os serviços, além do pagamento de portagens. O Via Verde Autoestrada custa 49 cêntimos por mês ou 5,75 euros por ano, mas passa a servir apenas para as portagens. Se quiserem beneficiar dos outros serviços de mobilidade - alguns deles já estavam incluídos no anterior pacote, como o abastecimento nos postos da Galp, o estacionamento ou o McDrive - o preço sobe para 99

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos