“Próximos meses vão ser muito exigentes”, mas Agência Abreu não prevê mexer nos preçospremium

As novas restrições trouxeram alguns cancelamentos, mas as reservas que continuam a aparecer todos os dias compensam. A Agência Abreu prevê meses "muito exigentes", mas descarta sinais para alarme.

Nos últimos meses, a Agência Abreu já conseguiu "respirar melhor" sem os apoios do Governo, mas vêm aí dois ou três meses "muito exigentes" devido às novas restrições para controlar a pandemia. Em entrevista ao ECO, o diretor comercial da agência de viagens, Pedro Quintela, nota que o evoluir da situação pandémica tem trazido alguns cancelamentos, embora nada preocupante porque continuam a chegar reservas todos os dias. O desafio será -- continuar a -- mostrar às pessoas que continua a ser seguro viajar. Este ano, os preços não mexeram muito e deverão manter-se assim nos próximos tempos, diz o responsável, que aponta para final de 2023 um possível regresso aos níveis pré-pandemia. Antes de serem anunciadas as novas medidas, como é que estavam as reservas para a passagem de ano? Tivemos

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos