Tommy Hilfiger quer ajudar indústria da moda a recuperar do efeito Covid-19

Em entrevista exclusiva ao Ecoolhunter, Tommy Hilfiger explica a campanha global da marca, inspirada no Moving Forward Together, para ajudar a indústria da moda a recuperar do efeito Cóvid-19.

A Tommy Hilfiger, propriedade da PVH Corp., acaba de apresentar a campanha global para o outono/inverno 2020, inspirada pelo espírito Moving Forward Together — avançar juntos para criar um futuro melhor. Para celebrar a filosofia no coração da campanha a marca vai desafiar os fãs a incentivarem o poder do coletivo através de iniciativas de co-criação e customização, bem como colaborações locais. A mensagem baseia-se no compromisso contínuo do próprio designer Tommy Hilfiger em criar moda que Wastes Nothing and Welcomes All — não desperdiça e acolhe todos.

“Ao enfrentar desafios sociais e económicos extraordinários, mantermo-nos juntos é caminho mais seguro para avançar”, explica Tommy Hilfiger. “Cada desafio é uma oportunidade. Pode levar-nos um passo mais perto de realizar o nosso sonho, revigorar o nosso sentido de admiração e inspirar criatividade que não sabíamos ter. Através do Moving Forward Together, entramos num processo de ajuda para reacender essa faísca criativa e disponibilizar ajuda onde for mais necessário”, num contexto de pandemia que afetou a indústria da moda.

O que o inspirou a começar esta iniciativa?

Como marca, sempre trabalhámos muito para aproximar as pessoas e difundir o nosso espírito de otimismo determinado. Com o mundo a passar por tantas mudanças, sabíamos que precisávamos de nos unir agora mais do que nunca. Isso levou à criação da iniciativa Moving Forward Together, com o intuito de inspirar e elevar a comunidade criativa e da moda. Queremos continuar a apoiá-los ao nível local e global quando mais precisam.

A criatividade é um tema importante aqui. Porque é tão importante agora?

Cabe-nos a nós criar o futuro que desejamos — criar um mundo melhor. Durante este tempo, a criatividade manteve-nos juntos enquanto estávamos fisicamente separados. Permitiu-nos ver a beleza quando as coisas ao nosso redor pareciam feias. Apesar de todos termos acesso a menos, criámos mais com o que já tínhamos. Só a criatividade pode fornecer respostas às perguntas mais difíceis do mundo, e queremos que todos a usem para sonhar mais alto que nunca.

Porque vê as colaborações e a co-criação como ferramentas tão poderosas?

Grandes feitos podem ser alcançados a sós, mas podem acontecer coisas ainda melhores quando trabalhamos juntos. Ao avançar juntos, queremos lançar o poder do coletivo. Só quando nos unirmos e permanecermos juntos podemos alcançar novos patamares.

Esta iniciativa visa olhar para o futuro. Como permanece otimista em tempos difíceis?

É tudo uma questão de ajustar a perspetiva para ver o que é bom. Cada obstáculo é uma oportunidade para mudar de direção. Desde que se continue a ir em frente — mesmo que haja alguns incidentes ou curvas inesperadas — acabamos onde temos de estar. Aprendi isto em primeira mão quando declarei falência aos 25 anos. Pensar assim permite-me manter o sentido de otimismo determinado, aconteça o que acontecer.

Que três palavras escolheria para descrever esta iniciativa?

Progressiva. Unificadora. Positiva.

Que ligação há entre a moda e a comunidade?

A moda é a sua própria democracia. É criada pelo povo, para o povo. Não haveria indústria da moda sem a comunidade que a mantém viva. O verdadeiro desafio é fortalecer a nossa ligação para criar algo poderoso e com significado. Quando a comunidade da moda avança junta, é uma força imparável.

Qual é o papel da sustentabilidade ambiental nesta iniciativa?

A nossa loja de reparos Tommy Repair Shop não só apoia alfaiates e artistas locais a partilharem a sua criatividade, como incentiva os consumidores a prolongarem a vida útil das suas peças de roupa preferidas. Através de reparos e redesenho, podemos reduzir o desperdício e dar uma nova vida a algo antigo, alinhando-nos com a nossa missão de Wastes Nothing and Welcomes All.

O que espera que os fãs e consumidores da marca retirem desta iniciativa?

Cabe-nos a nós juntar-nos, permanecermos unidos e usar as nossas vozes e criatividade para estimular o progresso.

A campanha foi filmada no Golden Oak Ranch da Disney, pelo fotógrafo Dan Martensen, que através do seu trabalho captura e celebra a beleza única de cada cultura. O elenco da campanha apresenta um conjunto inspirador de ícones globais que defendem uma maior inclusão, entre os quais Alton Mason, Ralph Souffrant, Geron McKinley, Halima Aden, Dilone, Michaela DePrince, Soo Joo Park e Precious Lee.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tommy Hilfiger quer ajudar indústria da moda a recuperar do efeito Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião