Comércio, cabeleireiros e livrarias abrem portas. Veja as regras que têm de ser cumpridas

A primeira fase do plano para o desconfinamento que foi imposto para travar a pandeia arranca esta segunda-feira. Saiba o que abre, quando abre e com que regras.

A reabertura da economia portuguesa está em marcha. Com a passagem do estado de emergência para o estado de calamidade, o Governo deu ordem para o início do desconfinamento. O plano foi elaborado de forma a decorrer em três fases, sendo que a primeira arranca já esta segunda-feira, com a abertura ao atendimento público de alguns estabelecimentos. Será o caso, por exemplo, do pequeno comércio, cabeleireiros e alguns serviços públicos, mas com regras que devem ser cumpridas para evitar a propagação do vírus.

De acordo com o plano divulgado na passada quinta-feira, após reunião do Conselho de Ministros, estão proibidos os eventos ou ajuntamentos com mais de dez pessoas, o teletrabalho mantém-se uma obrigação, desde que as funções assim o permitam, e a ordem para a população em geral mantém-se no sentido do dever cívico de confinamento domiciliário, com as deslocações mínimas necessárias para a gestão do seu dia-a-dia neste período.

Mas se até agora essas deslocações deveriam estar limitadas a supermercados, farmácia ou ao banco, já passa a ser possível a entrada em outros estabelecimentos comerciais e de serviços, de menor dimensão. É imposta ainda uma lotação máxima de cinco pessoas por 100 metros quadrados em todos os espaços fechados. O grosso dos estabelecimentos com ordem para as abrir portas aos clientes, nesta primeira fase, também não podem ter mais de 200 metros quadrados de área utilizável, o que em termos práticos significa uma lotação máxima de dez clientes.

A reabertura dos espaços fechados obriga ainda à utilização de máscara por quem atende e pelos clientes, mas também do cumprimento de um conjunto de regras de higiene ou de utilização do próprio espaço que ajudem a prevenir os contágios. No passado sábado, foi assinado um protocolo entre a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal com a Direção Geral de Saúde, tendo sido definido um guia de boas práticas para o setor de comércio e serviços neste período marcado pela pandemia.

“Portugal vai dar um passo para começar a reabrir muitas das atividades do setor comercial que foram encerradas por necessidade de contenção da pandemia de Covid-19, mas a retoma é essencial que seja feita com segurança para quem trabalha nos estabelecimentos e dos clientes”, precisava o primeiro-ministro no final da cerimónia.

Tendo em consideração o decretado pelo Governo, têm aval para reabrir, com respeito de determinadas condições, os seguintes estabelecimentos:

  • Comércio local em lojas com porta aberta para a rua e em espaços com até 200 metros quadrados, com uso obrigatório de máscara e funcionamento a partir das 10h00.
  • Cabeleireiros, barbearias, manicures, pedicures e outros estabelecimentos da área da beleza, sujeitos a uso obrigatório de máscara, marcação prévia e condições específicas.
  • Livrarias e o comércio automóvel, independentemente da área dos estabelecimentos.
  • Serviços públicos em balcões desconcentrados, como repartições de finanças, conservatórias e outros, sujeitos a uso obrigatório de máscara e atendimento por marcação prévia.
  • Bibliotecas e arquivos, sujeitos a lotação reduzida e a distanciamento físico.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comércio, cabeleireiros e livrarias abrem portas. Veja as regras que têm de ser cumpridas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião