Infraestruturas. O primeiro obstáculo ‘na escada’ para a verdadeira inclusãopremium

Infraestruturas que, ainda hoje, são um obstáculo à inclusão da pessoa com deficiência no mundo laboral. Hoje, 1 de fevereiro, entra em vigor novas quotas para as pessoas com deficiência nas empresas.

Umas escadas quase que deitaram por terra o destino profissional de Carla Neves Matias: a advocacia. “Aquela rampa que hoje está na Faculdade de Direito fui eu que chateei toda a gente até à exaustão, porque não existia, nem cá fora, nem lá dentro”, conta. “Sei de algumas pessoas que não se inscreveram no curso precisamente porque não tinham como ultrapassar os obstáculos.” Sem uma rampa, a sua autonomia – utiliza uma cadeira de rodas para se deslocar – estava seriamente comprometida. “De manhã, e à tarde, quando saía, era um momento horrível. Tinha de escolher alguém a quem pedir para me ajudar a subir os degraus. E, muitas vezes, a minha vontade era ir embora, porque não tinha de me sujeitar àquilo”, relembra a hoje sócia da SRS Advogados. A partir de hoje, 1 de fevereiro, entra em

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos