Onde anda o liberalismo?

O romancista EM Forster escrevia que a democracia merecia duas salvas de palmas. Certamente que o liberalismo merece ao menos uma. De momento não recebe nenhuma e isto devia preocupar-nos e muito.

“Every man has a property in his own person. This nobody has a right to, but himself.” John Locke

Hoje em dia, os defensores do capitalismo e do liberalismo (entendido no conceito original como liberdade de capital e liberdade individual, não confundir com o tão mal usado termo “neo-liberalismo”) são mais difíceis de encontrar do que uma toupeira no inverno. Em Portugal nunca houve um pensamento assumidamente liberal e se houve durou muito pouco tempo. Este artigo vai revisitar a história do liberalismo português para percebermos a raiz do problema. Depois, passarei em revista o que se passa com o liberalismo no resto do mundo ocidental em 2018.

A realidade portuguesa. O liberalismo como prolongamento do Estado em vez de ruptura

O liberalismo nasceu nos fins do século XVIII e início do XIX, essencialmente de um desejo de ruptura total com os modelos absolutistas de organização política, económica e social prevalecentes até aí. No caso inglês, a ruptura foi mais pronunciada do que no resto da Europa porque havia a combinação de um apetite social pelo liberalismo, uma Revolução Industrial em curso e um Partido Liberal forte, apoiado numa tradição parlamentar independente. Nenhuma destas condições estava reunida na Europa continental, daí que, sobretudo em países mais pobres como Portugal, o liberalismo acabou por ser apenas um interregno no caminho para a dilatação do Estado do que uma ruptura total. De grosso modo, há três fases na experiência do liberalismo em Portugal, todas elas falhadas.

  1. O primeiro falhanço: o início do liberalismo português e a Guerra civil.

    A primeira experiência liberal portuguesa (no Porto em 1820) começou logo numa posição de extrema fragilidade: o país sofria de um enorme atraso social e económico em relação ao centro da Europa, a corte estava a residir no Brasil e todo o tecido financeiro, político e militar era controlado pela Inglaterra. Os próprios objectivos da Revolução Liberal portuguesa eram mais os de um retorno ao anterior status quo (o regresso da Corte do Brasil, a restauração da exclusividade do comércio imperial e a independência do exército) do que propriamente uma rotura social e económica.O conteúdo e destino da primeira Constituição portuguesa (1822) prova essa fragilidade de nascença do liberalismo luso: Se, por um lado, se apostava na separação de poderes (legislativo, executivo e judicial), por outro não se reconhecia a liberdade religiosa (a Religião Católica era declarada como a única válida). O liberalismo nacional nasceu torto e durou pouco: As facções mais conservadoras da sociedade portuguesa encarregaram-se logo de suspender a Constituição em 1823. Dom Pedro tentou conciliar o inconciliável na nova Carta Constitucional de 1826 mas esse foi um exercício fútil. Seguiu-se uma Guerra Civil sangrenta que mergulhou o país no caos até 1834. No fim desta guerra Portugal estava mais endividado e dependente do exterior do que nunca, de rastos depois de quase trinta anos contínuos de conflito e divisão.

  2. O segundo falhanço: o Fontismo, o endividamento e o caminho para a ditadura

    A experiência liberal portuguesa, depois da legislação de Mouzinho da Silveira e da vitória liberal na guerra de 1832-1834, traduziu-se na transferência da propriedade, outrora pertencente às ordens religiosas, para uma nova burguesia ligada às atividades financeiras e sedenta de títulos nobiliárquicos. A pequena burguesia, interessada nas atividades industrial e artesanal, cedo se desiludiu com o advento do liberalismo.

    O povo não teve direito a muitas liberdades. Ao longo do século XIX, continuou uma vaga de emigração maciça para o Brasil, procurando na ex-colónia a oportunidade de uma vida melhor. O tesouro continuava esgotado e a recorrer muito liberalmente (passe a palavra) a créditos e emprestimos nos bancos de Londres e Paris.

    Segue-se, a partir de 1851, o movimento regenerador que apresentava como ponto fulcral do seu programa político a renovação do sistema político e a criação das infra-estruturas básicas necessárias ao desenvolvimento do país. O movimento tinha como objectivo central estabelecer de forma definitiva o liberalismo em Portugal e para tal adoptou os princípios estabelecidos na Carta Constitucional de 1826, introduzindo-lhe as necessárias reformas pelo Acto Adicional de 1852.

    O programa político regenerador assentava num conjunto de reformas administrativas e económico-sociais, cuja aplicação tinha como objectivo fomentar o crescimento económico e ultrapassar os constrangimentos de natureza política e institucional que tinham impedido o país de se aproximar dos níveis de desenvolvimento da Europa. Atribuíam os bloqueios à má governação e ao tempo perdido com as múltiplas lutas político-ideológicas que até aí tinham assolado a vida política em Portugal. Fizeram-se estradas, caminhos de ferros, escolas (o chamado fontismo), mas novamente o desenvolvimento ou progresso era guiado pelo Estado e pelo endividamento e não pela sociedade civil (Fontes Pereira de Melo teve de criar uma série de impostos adicionais para o país poder obter crédito em Londres). Nem o Estado nem a sociedade foram reformados, ou seja não houve mais uma vez uma dinâmica interna para criar o modelo de país a que Portugal aspirava.

    No resto do século XIX, o país esqueceu o liberalismo e rendeu-se totalmente ao clientelismo, como tão bem Eça retrata nos Maias. A Revolução Industrial que tinha prosperado numa serie de países europeus passou largamente ao lado de Portugal e só no reinado de Dom Carlos I o país foi à bancarrota duas vezes – em 1892 e 1902, lançando a semente da revolta republicana.

    O que se seguiu à Implantação da República em 1910 não foi melhor: No espaço de 16 anos, o país teve 45 governos, mais duas bancarrotas, hiper-inflação e restruturações da dívida quase anuais. Ao contrário da maior parte do resto da Europa houve uma diminuição acentuada da actividade na indústria. O país estava mais do que pronto para o Estado Novo de Salazar.

  3. O terceiro falhanço: ditadura corporativista, democracia e a União Europeia

    Salazar apareceu no cenário caótico de 1926 com a promessa simples de disciplinar as finanças públicas. Fe-lo à conta de uma combinação de três factores: uma gestão orçamental baseada em cativações (choque, horror, mas Centeno parece ter lido a mesma cartilha), remessas gigantescas das colónias africanas e um regime corporativo, o chamado Estado Novo. O Estado determinava que grupos económicos se formavam, onde, como e quando investiam. Não havia só falta de liberdade social mas total falta de liberdade económica.

    A estagnação portuguesa continuou até 1960 (o PIB per capita em relação à Europa em 1960 ainda era o mesmo que em 1926) mas, a partir de 1960, acontece uma certa modernização e liberalização económica (sempre sobre a tutela do Estado note-se): O país entra para a EFTA e as taxas de crescimento anuais da economia excederam os 10%, sobretudo durante a Primavera Marcelista. Apesar deste breve fogacho, o país continuava estruturalmente pobre, socialmente opressivo e como cereja no bolo tinha de aguentar com as consequências de uma guerra colonial longínqua.

    O regime ditatorial cai em 1974 e inaugura-se a democracia ou a III República Portuguesa. Não houve novamente muito tempo ou foco em desenvolver uma sociedade liberal: só num espaço de dez anos o país teve uma quasi gerra-civil, mais duas bancarrotas (1977 e 1983), nacionalizações desastradas e mais governos do que países concorrentes ao Eurovisão. O país exausto chega novamente a um homem providencial em 1985: Cavaco Silva.

    Animado pelo dilúvio de fundos europeus (com a adesão à CEE em 1985), os primeiros dois a três anos de cavaquismo pareciam trazer a promessa de algum liberalismo. Vários sectores viram a sua actividade liberalizada: Banca, telecomunicações, imprensa, televisão. Os grupos nacionalizados foram restaurados a mãos privadas e a Bolsa de Valores animava-se. Mas era novamente um liberalismo artificial: Pela calada inicialmente, e abertamente desde 1989, Cavaco abriu os cordões a uma expansão substancial do sector público/partidário por todas as áreas da actividade económica, sem qualquer consideração à capacidade do país de sustentar esse aumento do polvo do Estado. Guterres, Barroso, Lopes, Sócrates todos continuaram nessa direção, acelerada ainda mais pela queda dos custos de financiamento com a entrada para o euro. Portugal chega a 2011 e é brindado com a sua terceira bancarrota no espaço de apenas 30 anos, um recorde no espaço europeu.

    Seguiu-se um dos ajustamentos mais brutais na memória colectiva portuguesa, cumprido por Passos Coelho com eficiência, mas pouca criatividade de pensamento (nunca se fez ou arquitectou a tão desejada reforma da máquina estatal e da estrutura produtiva do país). Com as contas minimamente equilibradas, o país acordou em 2015 e mais uma vez embarcou num exercício de amnésia colectiva. De repente todos os problemas estavam resolvidos e o liberalismo desapareceu do debate.

Quem defende o liberalismo no espectro político português corrente? Practicamente só o Adolfo Mesquita Nunes e um ou dois novos grupos como o Portugal XXI e a Iniciativa Liberal. Aparte disso, é uma orgia geral de reversões, cativações para fazer parecer a Bruxelas que o país tem o Estado controlado e outras conversas mais ou menos estatizantes, enquanto se vive à conta do dinheiro do BCE. O próprio PSD, o maior partido da oposição, foge do termo “liberal” como um ateu foge da cruz.

O país continua estruturalmente pobre e nunca criou uma classe média e um sector de negócios privado forte que não dependesse do Estado e defendesse o liberalismo. Basta dizer que no top da Forbes das 500 maiores empresas do mundo, não há uma única portuguesa. Este foi o terceiro falhanço do liberalismo em Portugal. Mas e o que se passa fora de portas?

A realidade no Ocidente em 2018. O liberalismo em crise

O que é ainda mais surpreendente é a erosão do liberalismo em países onde esta foi sempre a corrente de pensamento dominante, e sobretudo no país que o criou e deu ao mundo: o Reino Unido. Por exemplo, o corrente governo britânico (que é teoricamente de direita) parece quase embaraçado quando tem de defender os méritos de deixar as forças do mercado guiar a economia. Basta ver que o sector empresarial ou a City de Londres nem tem sido consultados em todo o processo do Brexit pelo governo de Theresa May. De repente, é como se o tão famoso mercado não existisse. As decisões são tomadas sem envolvimento dos agentes que as vão ter de aceitar – ou seja, bancos, seguradoras, fundos de pensões, companhias de aviação, fabricantes de carros, e por aí fora.

Uma sondagem para a YouGov em 2017 revelou que há neste momento mais apoiantes do socialismo do que do capitalismo na Grã-Bretanha, o que deixou o meu queixo liberal caído. Mas o fenómeno é geral: um inquérito conduzido pelo Institute of Politics da Harvard University em 2016 verificou que 51% dos americanos inquiridos entre os 18 e 29 anos de idade não apoiam o capitalismo. Só na faixa etária com mais de 50 anos é que ainda existe uma maioria de inquiridos a favorecer o capitalismo liberal versus o socialismo.

O maior partido da oposição no Reino Unido é liderado por políticos que explicitamente defendem nacionalizações em massa de uma variedade de companhias (algo mais alinhado com o PREC de 1975 do que o Big Bang de 1986). Os Trabalhistas de Jeremy Corbyn exprimem constantemente o seu horror em relação aos benefícios de ver os recursos económicos livremente orientados por agentes privados e frequentemente insistem que o lucro empresarial é sinónimo de exploração.

Pela Europa fora (sempre mais estadista, é certo), o cenário não é muito mais animador: Em Itália há um novo governo que acredita piamente numa economia dirigista, na Alemanha, embora haja iniciativa privada, não há propriamente abertura de vários sectores económicos a compradores estrangeiros (veja-se como os alemães constantemente bloqueiam aquisições de companhias nacionais por compradores internacionais) e na própria América, Trump pratica no fundo um capitalismo por dictat, em que a máquina do Estado decide e manipula tarifas comerciais a seu belo prazer.

O que resta de liberal hoje em dia no Ocidente resume-se ao Canadá, à Escandinávia (que tem um modelo misto de liberalismo no sector privado com um Estado providência eficiente) e à Holanda, pouco mais. Macron, claro, defende uma certa liberalização, mas à forma francesa, ou seja altamente dirigista, mas pelo menos salvou-nos do horror que seria Le Pen.

Como chegámos a este ponto? E qual a importância deste fenómeno? A resposta à primeira questão é relativamente fácil: Ainda estamos todos no Ocidente a viver os efeitos secundários da Grande Recessão de 2007-9 (prolongada até 2013 na Europa). Essa recessão, e sobretudo as suas causas (excessivo endividamento público e privado facilitado por três décadas de liberalização extrema nos mercados de capital que acabaram com o rotundo crash financeiro de 2008) alastrou uma crença, na maior parte do público, de que o capitalismo era um modelo inerentemente falhado.

Na realidade, o que o crash financeiro revelou foi que haviam enormes problemas sim, mas, específicos aos bancos. A ausência de supervisão apropriada na maior parte dos países levou a que esses problemas se alastrassem e criassem vastos danos colaterais fora do sector financeiro (por exemplo, os portugueses ainda estão todos a pagar a conta do forrobodó no BES, Banif, Caixa e por aí fora).

Mas o ponto que muitas vezes se evita sublinhar é que as companhias e sectores fora do sector financeiro funcionavam e funcionam perfeitamente bem e elas não foram a causa do que é suposto ser um “falhanço total do capitalismo”, elas foram atingidas devido aos problemas que existiam pura e simplesmente no sector financeiro. Como nunca se fez esta distinção em público (e por exemplo, em Portugal, o governo de Passos Coelho nunca fez uma auditoria clara e meticulosa para mostrar aos portugueses que a causa da troika era o desgoverno anterior e não um desejo masoquista e “neo-liberal” de castigar as pessoas), ficou a ideia implantada de que o capitalismo liberal, no seu todo, é um modelo falhado.

O outro factor por detrás da hostilidade crescente contra a iniciativa privada e o liberalismo em geral é a crença que a distribuição da riqueza e rendimentos se tornou mais desigual nas ultimas décadas. Esta crença parece ser aceite pela maioria das pessoas sem qualquer reflexão, mas não é verdade, nem a nível global nem na mátria do liberalismo, o Reino Unido. Uma análise recente do Institute of Fiscal Studies britânico mostrou que, na realidade, a desigualdade de rendimentos tem permanecido exactamente igual nos últimos 30 anos. Pelo contrário, a nível global, a proporção da população no mundo em pobreza absoluta caiu mais de 40% desde o fim dos anos 80, em grosso modo devido ao crescimento da China e da Índia, desencadeado pela liberalização da actividade económica nesses países.

O famoso livro Capital no Seculo XXI do francês Thomas Piketty parecia ter dado respeitabilidade teórica e intelectual à ideia de que a desigualdade social vai aumentar de forma descontrolada, um argumento frequentemente usado lado a lado com a asserção errada de que essa mesma desigualdade já aumentou. Esta escola de pensamento associa desigualdade social a capitalismo tout court.

No Reino Unido, e numa série de outros países confrontados com este conjunto de crenças, muitos políticos que teriam sido defensores naturais do liberalismo noutras circunstâncias ficaram calados, focaram-se nas supostas falhas do capital ou ensaiaram planos de escape. Por exemplo, o Brexit foi fundamentalmente o resultado da rejeição popular contra a ideia liberal de livre circulação de pessoas ou capitais, agravada pelo impacto da crise económica de 2008. A nenhum ponto durante a campanha para o referendo o então primeiro-ministro britânico, David Cameron, lutou para defender esses ideais liberais ou para explicar aos britânicos que o aperto no nível de vida era a consequência da específica crise financeira e não uma consequência do capitalismo ou da livre circulação de pessoas.

Um exemplo mais recente é a velocidade com que vários elementos do Partido Conservador britânico estão a abraçar a ideia de um hard Brexit ou até de uma saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo – esta era previamente a tribo que mais apoiava o capitalismo e agora é das mais vocais em dizer que existe uma “conspiração da elite global capitalista” contra a vontade do povo. Que Direita liberal esta?

A visão optimista é que esta é uma fase passageira e que deve de qualquer modo haver cepticismo sobre os benefícios do capitalismo laissez-faire e que o Estado deve corrigir as deficiências dos mercados. Segundo esta corrente, ninguém deve acreditar que os mercados e uma economia liberal são fundamentalmente eficientes. O capitalismo gera resultados maus e alguns muito maus. Segundo esta opinião, o que se está a passar pelo mundo ocidental, desde o Trump, ao Brexit, ao governo italiano, é simplesmente um período de revisão e discussão mais intensa em relação ao melhor modelo económico a seguir.

No entanto, muito do que nós estamos a ver acontecer hoje em dia vai muito para lá de uma simples aceitação de que o Estado também tem um papel a desempenhar na economia e que alguns resultados do modelo capitalista liberal são problemáticos. O que se está a passar é mais próximo de uma rejeição fundamental do papel dos mercados e das companhias privadas em criarem riqueza (curiosamente a riqueza que os Estados precisam para distribuir, se se acredita tão piamente numa política de redistribuição total).

Pode ser que o que Churchill disse acerca da democracia seja também verdade acerca do capitalismo – que é o pior sistema para tomar a maior parte das decisões, com excepção de todos os outros sistemas que já foram inventados. O registo de países que enxotaram ou eliminaram a iniciativa privada e uma concepção liberal da sociedade é ilustrativo do desastre a que leva esta crença no Estado como único agente económico – vejam-se as 500 mil crianças a morrer de subnutrição na Venezuela ou a inflação nos milhões de percentagem no Zimbabué. Em contraste, o liberalismo e o capitalismo deram-nos coisas fundamentais como o Renascimento, a imprensa, o carro, a penicilina, a rádio, a Internet, os frigoríficos, e por aí fora. Sem capitalismo, ainda viveríamos todos nas cavernas e a comunicar por sinais de fumo.

O romancista EM Forster [Edward Morgan Forster] escrevia que a democracia merecia duas salvas de palmas. Certamente que o liberalismo merece ao menos uma. De momento não recebe nenhuma e isto devia preocupar-nos e muito.

Nota: Por opção própria, o autor não escreve segundo o novo acordo ortográfico.

Nota 2: O presente artigo resulta do desenvolvimento de um artigo originalmente publicado no blogue Capital Magazine.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Onde anda o liberalismo?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião