20 mil milhões de facturas depois…

Espanha decidiu seguir o exemplo português e o e-fatura, criado em 2013 e 20 mil milhões de facturas depois. Esperemos que o programa e-fatura seja preservado de 'partidarites' agudas.

Portugal criou o programa e-fatura em 2013. Desde essa data, as empresas passaram a comunicar electronicamente as faturas emitidas à administração fiscal. Depois de quatro anos e 20 mil milhões de facturas comunicadas, o governo espanhol, pela mão do ministro das Finanças Cristóbal Montoro, anunciou recentemente a criação de um programa de comunicação de facturas “em tempo real” (Suministro Inmediato de Información – SII) em tudo semelhante ao programa português. Porque será que Espanha segue Portugal neste caso?

O programa e-fatura foi o projecto de gestão tributária mais ambicioso da última década, não obstante ter enfrentado diversas resistências e dificuldades técnicas de implementação no seu início. Em 2012, quando o programa foi anunciado, muito poucos acreditaram na sua concretização e menos ainda vislumbraram o seu potencial. Mas não obstante os velhos do restelo e as críticas dos mais cépticos, foi possível concretizar um programa que alterou radicalmente o paradigma da gestão dos impostos em Portugal e que hoje é visto como exemplo em termos europeus.

Com uma base tecnológica marcadamente inovadora e sem precedentes na Europa, o programa e-fatura apostou desde o início no apoio ao cumprimento voluntário das obrigações fiscais, instituindo mecanismos de cruzamento de dados e de disponibilização de alertas em tempo real aos contribuintes. E reconheceu o papel da cidadania na eficiência do sistema fiscal, na promoção da justiça tributária e no combate à economia paralela.

Os números falam por si. Uma média anual de cinco mil milhões de facturas emitidas e comunicadas electronicamente nos últimos quatro anos, por mais de um milhão de agentes económicos. Mais de 310 mil divergências instauradas electronicamente, a maior parte das quais regularizadas voluntariamente pelos contribuintes. E, sobretudo, mais de nove milhões de cidadãos que incluem anualmente o seu NIF nas facturas, numa demonstração clara que a participação dos consumidores é uma das chaves do sucesso do programa.

E os resultados do e-fatura tiveram um impacto significativo no crescimento da receita nos últimos anos e, em particular, no ano passado. Em 2015, a receita fiscal cresceu 5% (quando o PIB cresceu “apenas” 1,6%), não obstante a redução da taxa do IRC de 23% para 21%, a redução das taxas de IRS para as famílias com filhos e a manutenção das taxas do IVA.

Agora é necessário olhar em frente. O mero desenvolvimento do programa e-fatura, se for devidamente realizado, é o garante de aumentos futuros da receita fiscal sem necessidade de aumentar nenhum imposto, e mesmo com a possibilidade de os reduzir. E se a este esforço corresponder simultaneamente uma política de redução estrutural da despesa pública, o que infelizmente não é o caso da actual governação, o país poderá finalmente ambicionar, pela primeira vez em democracia, a ter uma situação de excedente orçamental no futuro.

Esperemos que o programa e-fatura seja preservado de ‘partidarites’ agudas. E que os ganhos já alcançados sejam consolidados, para bem de finanças públicas mais equilibradas mas, sobretudo, para uma concorrência cada vez mais leal entre os agentes económicos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

20 mil milhões de facturas depois…

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião