Rocha Andrade: “Não há consenso com a direita” no IRC

  • Lusa
  • 1 Dezembro 2016

Rocha Andrade diz que as propostas do PSD e do CDS constituiriam sobretudo um alívio fiscal para os setores em Portugal que têm maiores rendimentos.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais afirmou que “não há um consenso com a direita” em matéria de IRC, defendendo que a escolha do Governo em reduzir a fatura fiscal das empresas que, de facto, investem “é melhor”.

Fernando Rocha Andrade disse, em entrevista à Lusa a propósito da aprovação do Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) no parlamento, que “as propostas do PSD e do CDS constituiriam sobretudo um alívio fiscal para os setores em Portugal que têm maiores rendimentos”.

De acordo com o governante, se o objetivo da política fiscal for reduzir a taxa do IRC (Imposto sobre o Rendimento de pessoas Coletivas) e baixar a tributação dos rendimentos prediais e das mais-valias, “como eram propostas do PSD e do CDS”, então, “os principais beneficiários dessas escolhas são os contribuintes que estão nos escalões superiores de rendimentos”.

A nossa primeira prioridade foi acabar com a sobretaxa [de IRS] para o segundo escalão para 1,1 milhões de agregados que têm um rendimento anual total tributável entre os 7.000 e os 20.000 euros. Quando temos de fazer escolhas pensamos que a nossa escolha é melhor”, defendeu, reiterando que “aqui não há um consenso com a direita”.

A escolha defendida por Rocha Andrade passa por uma redução da fatura fiscal “dirigida às empresas que investem e não uma redução geral que tanto beneficiaria as empresas que investem como as que não investem”, até porque dessa forma, não há “nenhum estímulo ao investimento”.

Os exemplos apontados pelo Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais foram a duplicação do montante de investimento elegível no âmbito do Regime Fiscal de Apoio ao Investimento, dos cinco para os dez milhões de euros e a revisão do regime da remuneração convencional do capital social, que vai criar incentivos para reforçar a capitalização das empresas e simultaneamente reduzir a dependência de financiamento através de endividamento.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rocha Andrade: “Não há consenso com a direita” no IRC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião