BdP reduz exigências de reservas de fundos próprios ao Novo Banco

Redução do risco associado ao banco liderado por António Ramalho justifica revisão em baixa das reservas adicionais de fundos próprios impostas pelo Banco de Portugal.

O Novo Banco viu o Banco de Portugal rever em baixa as exigências em termos da constituição de reservas adicionais de fundos próprios que permitam fazer face a choques externos, como a subida dos juros ou a degradação da economia. Já a CGD, o BCP, o BPI, o Santander Totta e o Montepio Geral mantêm os mesmo níveis, em termos de almofada adicional, definidos na última avaliação feita pela entidade liderada por Carlos Costa no final de julho deste ano.

As exigências de reservas impostas ao Novo Banco foram encurtadas para 0,5%, em janeiro de 2019, abaixo dos 0,75% ilustrados na avaliação realizada em julho deste ano.

Já a CGD terá de efetuar uma reserva de 1% do montante total das posições em risco, o BCP de 0,75%, o BPI e o Santander Totta de 0,5%, e a Caixa Económica Montepio Geral de 0,25%, em linha com a última avaliação.

“As reservas de O-SII para cada um dos grupos bancários mantêm-se estáveis face à última decisão do Banco de Portugal reportada a 29 de julho de 2016, exceto para o Novo Banco”, diz o Banco de Portugal em comunicado, justificando que “dado o decréscimo de score obtido por esta instituição no referido exercício de identificação, ser-lhe-á exigida uma reserva de fundos próprios menor”. Isto significa, em termos práticos, que o nível de risco associado ao Novo Banco é hoje menor.

Estas reservas adicionais de fundos próprios servem para absorver impactos de choques externos, como a subida de juros ou a queda da economia. A medida imposta aos bancos identificados como tendo uma importância sistémica, é medida através de uma percentagem do montante total dos ativos ponderados pelo risco. Nesta avaliação são considerados a CGD, o BCP, o BPI, o Novo Banco, o Santander Totta e o Montepio Geral.

Esta reserva deverá ser constituída por fundos próprios principais de nível 1 em base consolidada e deverá ser cumprida nos seguintes termos: 50% e 100% em 2018 e 2019 respetivamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BdP reduz exigências de reservas de fundos próprios ao Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião