2021 – O ano do mercado voluntário de carbono?

Torna-se cada vez mais evidente que a neutralidade carbónica não se consegue apenas com o mercado regulado europeu de licenças de emissões.

O ex-Governador do Banco Central Inglês, Mark Carney, lançou no início de setembro uma task force para acelerar a dinâmica dos mercados voluntários de carbono junto do setor privado, uma vez que se antecipa uma procura elevada a curto/médio prazo por créditos de carbono que permitam as empresas compensar as emissões que não conseguem mitigar.

Esta task force chamada “Scaling Voluntary Carbon Markets”, é composta por mais de 40 individualidades representativas de todas as regiões do mundo, e dos vários setores de atividade incluindo o setor financeiro.

De acordo com Mark Carney, não é possível atingir-se a neutralidade carbónica sem a existência de mercados voluntários de carbono robustos. É por isso que esta task force irá fazer um levantamento dos mercados voluntários que existam a funcionar pelo mundo, irá identificar os principais desafios e bloqueios ao desenvolvimento destes mercados, e tentará criar um consenso sobre as regras mínimas que deverão existir de forma a garantir a fiabilidade dos créditos e a sua não duplicação na contagem.

Torna-se assim cada vez mais evidente que a neutralidade carbónica não se consegue apenas com o mercado regulado europeu de licenças de emissões. É necessário que as empresas queiram, também elas, atingir a neutralidade, sendo para tal necessário recorrerem à compensação das emissões.

Esta compensação pode ser realizada de várias formas, fazendo sentido começar-se a desenhar um enquadramento suficientemente flexível para dar espaço à criatividade e à inovação das possíveis soluções, mas que garanta a não dupla contagem bem como veracidade do crédito de carbono.

Tudo indica que o ano de 2021 poderá ser o ano do relançamento dos mercados voluntários de carbono.

  • Economista especializada em sustainable and climate finance

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

2021 – O ano do mercado voluntário de carbono?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião