A graça sem graça, e a violência com violênciapremium

Durante a semana, centenas de vozes vieram tentar justificar o injustificável: que a violência, espoletada por um, verbalmente, e perpetuada por outro, de forma física, é legítima.

O episódio deixou atónitos, mesmo os mais céticos. No palco do Kodak Theatre, na noite do último domingo, Chris Rock fazia o seu trabalho como apresentador de uma das cerimónias anuais mais importantes da área do cinema. Até aqui, nada de novo. Sarcasmo para cá, piadas para lá, o cicerone da 94.ª edição dos Óscares decidiu falar de Jada Picket Smith, mulher de Will Smith, fazendo piadas com o problema de saúde de que sobre -- uma doença autoimune chamada alopecia, que lhe provoca queda de cabelo e que a levou a rapar a cabeça. Sentados na plateia, a assistir à graça sem graça de Chris Rock, o ator riu da piada mas a atriz e apresentadora reagiu num misto de falta de paciência e frustração, num movimento aproximado ao revirar de olhos. Normal: ninguém gosta de ser gozado, ainda por cima

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos