A rede social que derrubou um Presidente

Um protesto gerido a partir do TikTok arruinou o comício de Trump e pôs em causa a campanha para a reeleição. Esta noite, milhares de adolescentes mostraram mais uma vez o poder do digital.

A máquina propagandística de Trump é bem oleada e costuma ser gerida de forma profissional. Mas os meses de inatividade pública por causa do Covid-19 e as manias de grandeza sobre a sua própria importância parece terem subido à cabeça da própria organização.

Desde há vários dias que se repetiam os alertas de que mais de um milhão de pessoas tinham pedido bilhetes para o comício, que deveria ter funcionado como o momento-chave para a renovação da campanha para a reeleição. A campanha chegou mesmo a colocar um palco no exterior do modesto pavilhão, de forma a organizar um evento para as massas que se deveriam aglomerar no exterior – e anunciou a presença do Presidente e do Vice-Presidente nesse palco. As imagens desta noite mostram um pavilhão com uma ocupação de dois terços, milhares de cadeiras por ocupar e zero pessoas no exterior. O palco exterior foi rapidamente desmantelado e o sabor a fracasso esteve presente ao longo de todo o evento, o que parece ter deixado Donald Trump furioso.

Uma rápida investigação do New York Times explica o que terá acontecido: graças a um apelo de uma mãe indignada na terça-feira, milhares de adolescentes espalhados pelos Estados Unidos fizeram o pedido de bilhetes usando números de telefone Google Voice e convenceram a campanha de Trump que o evento iria ser um sucesso.

Aparentemente, dezenas de milhares de vídeos foram produzidos, tornaram-se virais e foram apagados em seguida, de forma a não deixar rasto do evento. Se Trump perder em novembro, este evento vai ser estudado pelos especialistas como o momento em que tudo se desmoronou. E vários papers científicos serão feitos sobre a influência desta nova rede social na política americana – o que só confirma quão mal preparados estão os estrategas tradicionais para enfrentar esta nova realidade.

O TikTok tem os seus próprios problemas no que toca ao discurso de ódio, de aceitação de censura governamental e de privacidade. Vários documentos internos confirmaram que o algoritmo está manipulado de forma a favorecer gente nova e bonita e assim promover uma visão artificial do mundo – recusando “deficientes” ou escondendo conteúdo produzido por “pessoas velhas” ou com problemas de “gorduras”.

Para satisfazer vários governos autoritários, a TikTok tem censurado conteúdo na Indonésia, no Bangladesh, na Índia e, obviamente, na China: O massacre de Tienamen não existe na aplicação (e a personagem infantil Winnie the Pooh também não, por ser habitualmente comparado a Xi Jinping). Como é uma aplicação chinesa, levanta muitas questões sobre a privacidade e vários estudos concluíram que recolhe mais dados do que seria necessário para a sua utilização. Esses dados são cooptados pelas autoridades chinesas – algo que está explícito nos termos de utilização da própria app. Por isso está proibida no exército americano e há quem a queira banir no governo dos Estados Unidos e até entre os funcionários da Comissão e do Parlamento Europeu.

O que aconteceu esta noite em Tulsa é um novo capítulo na história conturbada da relação das redes sociais com a política. Pode não ter a importância que o Twitter teve para as primaveras árabes, mas vai certamente mexer com o discurso político e obrigar muito boa gente a perceber o poder de mobilização das gerações mais novas graças às ferramentas digitais que poucos entendem.

Ler mais: Uma rede social de origem chinesa com menos de três anos de vida que apela essencialmente a adolescentes, tem pouco conteúdo político e aposta no efémero não mereceu (ainda) um livro decente. Dos muitos textos disponíveis na internet, há um que merece especial atenção: é da Harvard Business Review e explica a estratégia que valida o crescimento global da rede.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A rede social que derrubou um Presidente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião