Dijsselbloem e nós, as virgens ofendidas

Tivesse o holandês dito "não posso gastar tudo em aeroportos, estádios de futebol, auto-estradas e fraudes bancárias para depois pedir emprestado" e lá teríamos de engolir em seco e aceitar a crítica.

Já lá vão 19 dias desde que o holandês de nome impronunciável fez a sua infeliz metáfora sobre copos e mulheres e por cá o assunto rende que se farta, transformado que foi pelo Governo numa cruzada da qual, parece, depende a nossa sobrevivência enquanto povo. Não se sabe bem em nome de quê nem contra quem. Mas percebe-se porquê. E o porquê é o “circo” e a encenação, é a criação artificial e despropositada de uma “guerra” em nome de uma honra qualquer que tenha sido melindrada, é ter ali um “inimigo” que nos faça cerrar fileiras e voltar a ensaiar a táctica do quadrado, desta vez contra os bárbaros insensíveis do Norte da Europa. Tudo isto, claro, enquanto vamos alegremente aumentando a dívida pública.

Mas que fraca guerra e que fraco inimigo fomos escolher.

O “número” feito esta sexta-feira pelo secretário de Estado Mourinho Félix no Eurogrupo é só isso mesmo, uma encenação para as televisões. Tudo preparado, as palavras que iam ser ditas bem estudadas, a mão do holandês bem segura para que não “fugisse” antes da fala terminada, câmara e smartphones previamente prontos a gravar. Convenhamos que foi um bom “número”, feito com astúcia e profissionalismo. Se há coisa em que o PS e o Governo não facilitam é na comunicação. Mas esta não pode ser o fim último da governação, pois não?

Um dos assuntos que este governo e a maioria que o apoia têm mal resolvido é a relação de forças com Bruxelas.
Há dois anos todos se entusiasmaram com a Grécia do Syriza e com a entrada ruidosa de Yanis Varoufakis pelo Eurogrupo adentro. Viram ali o cavalo de Tróia que iria mudar tudo, que acabaria a prazo com o Tratado Orçamental, que levaria ao alívio da pressão para baixar o défice, que abriria caminho a uma rápida reestruturação da dívida. Prometeram que seguiriam a mesma linha de voz forte e um “não” sempre na ponta da língua se e quando viessem a ser governo. A Grécia rapidamente percebeu que esse seria um caminho que só agravaria o seu já penoso desastre e rapidamente atalhou caminho.

Por cá não aconteceu muito diferente. As ameaças de rebeldia rapidamente evoluíram para a postura do bom aluno que, ainda por cima, está a gostar de o ser.

O primeiro esboço de orçamento, o de 2016, voltou para trás para ser corrigido. E foi. Os problemas da banca estão a ser resolvidos de acordo com as regras — boas e más — de Bruxelas. E até o défice orçamental foi cortado uns 700 milhões de euros abaixo do que Bruxelas tinha definido como objectivo. O orgulho no resultado é tanto que até deu direito a cartazes colocados nas ruas.

Como nada mudou no eixo Lisboa-Bruxelas, como se tem visto, este prolongamento artificial da birra pessoal com Jeroen Dijsselbloem não é mais do que um folclore que pretende disfarçar que a substância continua a mesma.

Os mais superficiais bem tentam ver aqui um “rasgar de vestes” capaz de mostrar uma margem de manobra que, na prática, não existe.

Isto atinge já os níveis do ridículo, ao ponto de estarmos há dias a falar sozinhos contra o presidente do Eurogrupo. Até já a Grécia deu o assunto por encerrado. Talvez a “carapuça” nos tenha assentado mais a nós do que a qualquer outro país. E tudo isto porquê? Porque o holandês escolheu uma metáfora desastrada quando bem podia, para nossa desgraça e falta de argumentos, ter ilustrado com a crua realidade.

Tivesse ele dito, por exemplo, “não posso gastar tudo em aeroportos, estádios de futebol, auto-estradas e fraudes bancárias para depois pedir emprestado” e lá teríamos que engolir em seco e aceitar a crítica.

O mais perverso deste episódio nem é o seu aproveitamento propagandístico muito para além do que a reacção crítica inicial recomendou.

A questão essencial é que não desprezamos uma oportunidade para a auto-desresponsabilização, para evitarmos assumir os nossos erros colectivos e tirar as devidas lições deles.

Porque, sabemos bem, ninguém nos obrigou a construir uma mão cheia de estádios onde há muito não se joga futebol, abrir auto-estradas onde não passam carros e construir infraestruturas vistosas que estão às moscas. E também foram portugueses de gema, de Aveiro ou de Cascais, que arruinaram bancos que todos somos obrigados a pagar. Tal como foi a “nata” da nossa elite que se entreteve em negociatas através de bancos, público ou privados, que levaram à transferência ilegítima de somas de muitos zeros para bolsos que a elas não tinham direito.

Estamos muito empenhados na exigência de um pedido de desculpa formal de Dijsselbloem pelas suas palavras tontas. Mas por cá alguém ouviu um pedido de desculpa pelo desastre que nós próprios provocámos e pelos sacrifícios a que obrigámos cidadãos e contribuintes? Antes dos nossos governantes se armarem em virgens ofendidas talvez devêssemos começar por aí.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Dijsselbloem e nós, as virgens ofendidas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião