Dijsselbloem: É “lamentável” que “as minhas palavras tenham sido associadas ao sul”

O presidente do Eurogrupo rejeita a possibilidade de se afastar do cargo, mas garante que será "ainda mais cuidadoso" no futuro.

A 27 de março, vários membros do Parlamento Europeu escreveram a Jeroen Dijsselbloem pedindo-lhe que se demitisse do cargo de presidente do Eurogrupo. Em causa, as declarações sobre “bebidas e mulheres”. Dijsselbloem vem agora responder aos eurodeputados, para dizer que é “lamentável” que as suas palavras “tenham sido associadas à situação dos países do sul da Europa”.

Na resposta dirigida aos 70 eurodeputados que pediram a sua demissão, o também ministro das Finanças holandês começa por esclarecer o que disse em entrevista ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung:

"Na crise do euro, os países do norte demonstraram solidariedade para com os países em crise. Como um social-democrata, acho a solidariedade extremamente importante. Mas quem pede ajuda, também tem deveres. Eu não posso gastar o meu dinheiro em bebidas e em mulheres e, em seguida, pedir apoio. Este princípio aplica-se a nível europeu, regional e nacional.”

Jeroen Dijsselbloem

Presidente do Eurogrupo

Nos dias seguintes às suas declarações, recorda o presidente do Eurogrupo, instalou-se a polémica. “As minhas palavras foram associadas à situação dos países no sul da Europa durante os anos da crise. É lamentável que essa associação tenha sido feita, já que isso não foi dito. E, certamente, não era essa a minha intenção. A crise afetou sociedades por toda a Zona Euro, com grande custo social, e a solidariedade foi muito justificada”, escreveu Dijsselbloem.

E continua: “Infelizmente, algumas pessoas ficaram ofendidas com a forma como me expressei. A escolha de palavras é, claro, pessoa, tal como é a forma como são interpretadas. No futuro, serei ainda mais cuidadoso, já que nunca foi minha intenção insultar as pessoas“.

O presidente do Eurogrupo conclui rejeitando a possibilidade de se afastar do cargo, garantindo que está “totalmente empenhado em trabalhar” com os membros do Parlamento Europeu e “com todos os cidadãos europeus”, para “fortalecer as nossas economias e a nossa união monetária”.

A justificação de Dijsselbloem surge depois de Antonio Tajani, presidente do Parlamento Europeu, ter enviado uma carta formal, de protesto, ao presidente do Eurogrupo, criticando as suas recusas “a vários convites para participar em debates na assembleia representativa dos cidadãos europeus”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dijsselbloem: É “lamentável” que “as minhas palavras tenham sido associadas ao sul”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião