PSD acompanha Governo: Dijsselbloem tem de sair

  • Margarida Peixoto
  • 22 Março 2017

O líder dos social-democratas, Luís Montenegro, condenou esta quarta-feira as declarações de Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, sobre os países do sul da Europa.

Luís Montenegro, deputado do PSD, juntou-se à posição do Governo e pediu que Jeroen Dijsselbloem saísse da presidência do Eurogrupo.Paula Nunes / ECO 22 março, 2017

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, condenou esta quarta-feira as declarações de Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, sobre os países do sul da Europa. Para o social-democrata, as afirmações de Dijsselbloem foram “impróprias” e o responsável europeu deve sair. O maior partido da oposição acompanha assim a posição assumida pelo Governo português.

Para Luís Montenegro, Dijsselbloem teve um discurso “impróprio, indigno e inaceitável”. O líder da bancada parlamentar do PSD considerou as declarações do presidente do Eurogrupo como “graçolas de mau gosto” que “não se coadunam com a dignidade dos cargos”, seja na forma, seja no conteúdo, frisou, garantindo que o PSD não aceita “que se despreze o esforço dos portugueses”. Montenegro intervinha no debate quinzenal com o primeiro-ministro, na Assembleia da República.

Por isso, Luís Montenegro junta-se ao coro de vozes que pede consequências: “Quem não respeita isto, nem na forma, nem no conteúdo, só tem um caminho e o caminho é ir embora.”

Também o Governo português e o ministro das Finanças italiano já defenderam que Dijsselbloem deve abandonar a liderança do Eurogrupo. Aliás, perante os deputados, o primeiro-ministro António Costa repetiu as acusações de “sexismo” e xenofobia a Dijsselbloem. A comissária para a Concorrência, Margrethe Vestager, também criticou as declarações de Dijsselbloem. Esta não parece ser, contudo, a vontade do líder europeu.

Em causa estão declarações de Jeroen Dijsselbloem, em entrevista a um jornal alemão, publicada segunda-feira. “Como social-democrata, atribuo excecional importância à solidariedade. [Mas] também há obrigações. Não se pode gastar o dinheiro todo em álcool e mulheres e depois pedir ajuda”, disse o responsável.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD acompanha Governo: Dijsselbloem tem de sair

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião