Dijsselbloem: “Não tenho a intenção de me demitir”

Presidente do Eurogrupo lamenta que os países do sul da Europa se sintam afetados com as suas afirmações e diz que não tem intenção de se demitir, conforme pretende António Costa.

“Lamento que se sintam afetados e lamento que nessa entrevista tenha surgido uma ligação com o contraste entre o norte e o sul”, declarou o Jeroen Dijsselbloem, o ministro holandês das Finanças e presidente do Eurogrupo, que no fim de semana sugeriu em entrevista a um jornal alemão que os países do sul da Europa desperdiçaram dinheiro “em bebidas e mulheres” e depois pediram ajuda.

Citado pela agência Bloomberg, o responsável holandês tentou justificar a sua afirmação. “A frase sobre bebidas e mulheres era sobre mim mesmo. Eu disse que não posso esperar ajuda financeira se gastar o meu dinheiro de forma errada”, disse Dijsselbloem aos jornalistas, em Haia.

Lamentou ainda o pedido de demissão do primeiro-ministro português, António Costa, que esta manhã acusou Dijsselbloem de ser “sexista, xenófobo e racista”. “Numa Europa a sério, a esta hora Dijsselbloem já estava demitido”, afirmou Costa esta manhã.

“Não tenho a intenção de me demitir”, respondeu o ministro holandês ao primeiro-ministro português.

“Bebidas e mulheres”

Em causa está a entrevista que Dijsselbloem concedeu ao Frankfurter Allgemeine Zeitung. Nomeadamente a parte em que o holandês sugeriu que os países que pediram ajuda financeira, casos de Portugal, Grécia, Espanha, depois de terem desperdiçado dinheiro em superficialidades ou, nas palavras do holandês, em “bebidas e mulheres”.

“Durante a crise do euro, os países do Norte mostraram solidariedade com os países afetados pela crise. Como social-democrata, atribuo especial importância à solidariedade. [Mas] também temos as nossas obrigações. Não se pode gastar todo o dinheiro em bebidas e mulheres e depois pedir ajuda”, declarou o ainda ministro holandês das Finanças na entrevista àquele jornal alemão.

A afirmação do presidente do Eurogrupo, cujo mandato termina em janeiro de 2018, está a causar bastante polémica entre os países do sul da Europa. O ministro das Finanças espanhol, Luis de Guindos, considerou o comentário de Dijsselbloem “infeliz no estilo e no conteúdo”. “O estilo é obviamente inapropriado. Mas no centro da questão o que tenho a dizer é que nem Portugal ou a Grécia desperdiçaram dinheiro, nem Chipre ou a Irlanda. A solidariedade é importante. Espanha tem dito sempre isto: emprestaram-nos 40 mil milhões de euros mas nós também já emprestamos quase o mesmo montante a outros países”, disse de Guindos.

Do lado grego, o porta-voz do Governo, Dimitris Tzanakopoulos, os comentários de Dijsselbloem representam um “estereótipo” que afasta ainda mais o norte do sul, abrindo o caminho a “visões extremistas, isto sem mencionar o tom sexista”.

Entretanto, o Governo holandês “continua firmemente do lado” de Dijsselbloem enquanto líder do grupo dos ministros das Finanças da zona euro. “O primeiro-ministro Mark Rutte tem dito repetidamente que estamos muito favoráveis a Dijsselbloem no seu cargo no Eurogrupo”, disse fonte oficial do governo à Reuters.

(Notícia atualizada às 15h14)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dijsselbloem: “Não tenho a intenção de me demitir”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião