Dijsselbloem sente “tristeza” por ter dedicado tanto tempo com declarações

  • Lusa
  • 10 Abril 2017

Jeroen Dijsselbloem afirmou sentir "tristeza" por ter tido que dedicar tanto tempo a falar sobre a entrevista na qual sugeriu que os países do sul da Europa gastaram dinheiro em "copos e mulheres".

“Entristece-me muito que tenhamos dedicado tanto tempo e energia a uma entrevista enquanto a Grécia cai numa nova crise”, disse em entrevista ao diário holandês “De Volkskrant”, considerando que foi tratado como se tivesse cometido um “crime de guerra”.

Para o também ministro das Finanças holandês, “o problema agravou-se enormemente. É como se tivesse cometido um crime de guerra”, disse.

Em entrevista ao “Frankfurter Allgemeine Zeitung” há várias semanas, Dijsselbloem sugeriu que os países do sul da zona euro gastaram dinheiro em “copos e mulheres”, declarações que lhe valeram duras críticas e pedidos de demissão, sobretudo por parte do Parlamento Europeu.

Ao ministro holandês pareceu-lhe “muito incómodo” que tanta gente se tenha sentido ofendida pelas suas palavras e afirmou que se sentiu cercado pelos eurodeputados.

Dijsselbloem reconheceu que poderia ter sufocado o mal-estar se tivesse apresentado desculpas imediatamente, mas assegurou que se negou a fazê-lo porque “não poderia retratar-se de alguma coisa que não tinha dito, de alguma coisa à qual não se referia”.

Questionado pelo “De Volkskrant” sobre se espera cumprir o seu mandato até janeiro de 2018 à frente do grupo que reúne os ministros das Finanças dos países do euro, o social-democrata disse que, “como a curto prazo haverá um novo Governo na Holanda, o Eurogrupo procura rapidamente um novo presidente“.

Contudo reconheceu que se não se conseguir, ainda tem possibilidades de concluir o mandato.
Dijsselbloem também indicou que, nas discussões com os colegas na reunião informal dos ministros das Finanças da União Europeia em Malta, “não ouviu ninguém apoiar uma presidência fixa” do Eurogrupo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dijsselbloem sente “tristeza” por ter dedicado tanto tempo com declarações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião