Banco de Inglaterra pressionou bancos para manipular Libor

  • Juliana Nogueira Santos
  • 10 Abril 2017

Gravações obtidas pela BBC News revelam que o banco central britânico deu ordens aos bancos para que estes manipulassem a taxa de juro.

O Banco de Inglaterra está implicado num escândalo de manipulação de taxas de juro. Gravações secretas a que a BBC News teve acesso e que datam de 2008 mostram que o banco central britânico pressionou repetidamente os bancos comerciais para baixarem a taxa de juro à qual os bancos emprestam dinheiro entre si, a Libor.

Esta taxa vai servir de referência para a taxa de juro cobrada a consumidores e terá sido manipulada em detrimento de interesses comerciais. Neste gravações pode ouvir-se a conversa entre um gestor sénior do Barclays, Mark Dearlove e Paul Johnson, um dos responsáveis do banco pelo estabelecimento da taxa.

"Dearlove: Estamos sob grande pressão do governo e do Banco de Inglaterra para empurrarmos a Libor para baixo.

Johnson: Vou puxa-las para baixo do nível em que acho que podemos lucrar?

Dearlove: O facto é que temos o Banco de Inglaterra, todo o tipo de pessoas envolvidas nesta coisa… Estou tão relutante como tu… Esta gente disse para o fazer.”

Conversa entre Mark Dearlove e Paul Johnson

Antes da divulgação desta conversa, Johnson já tinha admitido que aceitou ordens de investidores para manipular a Libor, pelo que foi detido no verão passado.

Os bancos ingleses foram multados em mais de 6 mil milhões de libras por permitirem que os responsáveis, tais como Johnson, tivessem sido influenciados por pedidos de manipulação das taxas que vieram não só dos seus superiores, mas também de investidores.

Em resposta a este caso, o Banco de Inglaterra afirmou que nessa altura a Libor não era alvo de regulação em território britânico. Mark Dearlove foi contactado pelo meio de comunicação e recusou-se a dar quaisquer declarações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Inglaterra pressionou bancos para manipular Libor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião