Fiambre já não se vai estragar tão depressa

  • Lusa
  • 10 Abril 2017

Um método "inédito" desenvolvido na Universidade de Coimbra resolve um problema da indústria alimentar a nível mundial.

Um revestimento comestível que aumenta o prazo de validade do fiambre fatiado e de outros produtos cárneos, sem comprometer a sua qualidade, foi inventado por investigadores da Universidade de Coimbra (UC), anunciou a instituição esta segunda-feira.

O método inédito, que resolve “um problema da indústria alimentar a nível mundial”, foi desenvolvido por investigadores do Colling, grupo do Centro de Química da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC (FCTUC), na sequência de um desafio lançado, nesse sentido, pela Primor Charcutaria-Prima, empresa de produtos alimentares, de Vila Nova de Famalicão.

O novo revestimento de alimentos, que é comestível, é “produzido à base de polímeros e tensioativos naturais”, revela a UC, numa nota enviada hoje à agência Lusa. “Apoiada na lista de polímeros e tensioativos naturais aprovados pela FDA (Food and Drug Administration)”, a equipa de investigadores, liderada por Filipe Antunes, realizou “um conjunto de complexos estudos” até descobrir “um método inovador de revestimento de alimentos seguro” e “capaz de aumentar a validade dos vários tipos de fiambre fatiado”.

O fiambre, depois de desembalado, tem atualmente validade de três dias.

"Tratou-se de um desafio imenso porque foi necessário estudar um vasto leque de variáveis.”

Filipe Antunes

Investigador da Universidade de Coimbra

“Tratou-se de um desafio imenso porque foi necessário estudar um vasto leque de variáveis”, sublinha Filipe Antunes, citado pela UC. “Começámos por selecionar os polímeros e tensioativos que reunissem as melhores propriedades para o fim pretendido, realizámos misturas e observámos o comportamento dessas combinações, modificámos algumas propriedades, investigámos as concentrações adequadas para obter um revestimento seguro e eficaz, e realizámos sucessivos testes para avaliar a interação dos polímeros e tensioativos com o alimento”, explicita o investigador.

Além disso, os especialistas, que reproduziram em laboratório as condições quer dos frigoríficos domésticos, quer dos frigoríficos dos supermercados, efetuaram vários estudos microbiológicos para assegurar “um revestimento antibacteriano e que evite a desidratação e oxidação deste tipo de alimentos, adiando a sua deterioração”, salienta Filipe Antunes.

"O revestimento é impercetível aos olhos do consumidor, cumpre as exigências da FDA e pretende aumentar a conservação do fiambre e de outros produtos cárneos após a abertura da embalagem.”

Filipe Antunes

Investigador da Universidade de Coimbra

O revestimento agora criado é “impercetível aos olhos do consumidor, cumpre as exigências da FDA e pretende aumentar a conservação do fiambre e de outros produtos cárneos após a abertura da embalagem”, sintetiza a UC.

Este método inovador, que os seus autores pretendem patentear, “não só resolve um problema da indústria alimentar como também contribui significativamente para a redução do desperdício alimentar”, nota Filipe Antunes. O projeto, cujos estudos foram desenvolvidos ao longo de dois anos, foi financiado por fundos comunitários, em cerca de 600 mil euros, através do programa Horizonte 2020.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fiambre já não se vai estragar tão depressa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião