Dijsselbloem diz que a última coisa que quer é criar divisões na zona euro

  • Lusa
  • 27 Abril 2017

O presidente do Eurogrupo reiterou que as suas declarações foram mal interpretadas e que nunca pretendeu ofender os países do sul da Europa.

O presidente do Eurogrupo reiterou esta quinta-feira que as suas declarações foram mal interpretadas e que nunca pretendeu ofender os países do sul da Europa, assegurando que a última coisa que quer é criar divisões na zona euro.

Num debate no Parlamento Europeu, em Bruxelas, sobre a segunda revisão ao programa de ajustamento na Grécia, Jeroen Dijsselbloem iniciou a sua intervenção apontando que gostaria de abordar a polémica em torno da sua entrevista ao Frankfurter Allgemeine Zeitung – que levaram o Governo português a pedir a sua demissão -, para reafirmar que as suas palavras foram mal interpretadas, lamentando que haja quem se tenha sentido insultado.

“Nessa entrevista, defendi que respeitar a moldura acordada entre nós é crucial para manter a confiança e a solidariedade na zona euro. Nos dias que se seguiram, as minhas palavras foram, no entanto, relacionadas com a situação no período da crise e com os países do sul da Europa, e isso é muito lamentável, pois não foi o que disse e, certamente, não era o que eu queria dizer. Os anos da crise tiveram impacto nas sociedades por toda a zona euro e União, com grandes custos sociais, e a solidariedade foi justificada”, declarou.

Nessa entrevista, defendi que respeitar a moldura acordada entre nós é crucial para manter a confiança e a solidariedade na zona euro.

Jeroen Dijsselbloem

Presidente do Eurogrupo

Na entrevista em causa, concedida em março ao jornal alemão, Dijsselbloem declarou que não se pode pedir ajuda depois de se gastar todo o dinheiro em álcool e mulheres, o que provocou uma onda de indignação, tendo mesmo o Governo de António Costa reclamado a sua demissão, por entender que o ministro holandês não tem condições para continuar à frente do fórum de ministros das finanças da zona euro.

“A forma como me expressei ofendeu alguns e, por isso, lamento muito. Obviamente que nunca foi minha intenção ofender ninguém. Trabalhei ao longo dos últimos quatro anos com vista a unir mais a zona euro, e a última coisa que quero é criar novas divisões”, acrescentou Dijsselbloem.

A forma como me expressei ofendeu alguns e, por isso, lamento muito. Obviamente que nunca foi minha intenção ofender ninguém. Trabalhei ao longo dos últimos quatro anos com vista a unir mais a zona euro, e a última coisa que quero é criar novas divisões.

Jeroen Dijsselbloem

Presidente do Eurogrupo

No início de abril, por ocasião de uma visita oficial ao Luxemburgo, o primeiro-ministro António Costa voltou a defender que Jeroen Dijsselbloem não tem a “menor condição” para continuar a presidir ao Eurogrupo, e lamentou que o político holandês nem sequer se retrate das ofensas dirigidas aos países do sul.

“O presidente do Eurogrupo deve ser um mobilizador, e não um fator de divisão. O senhor Dijsselbloem já mostrou por diversas vezes que não é capaz de ser um mobilizador, e desta vez foi particularmente ofensivo relativamente aos países do sul. E, falando muito francamente, pior do que ele disse ao [jornal] Frankfurter Allgemeine Zeitung, são as explicações que tentou dar, pois demonstraram que ele não compreende o que fez e como ofendeu profundamente os povos do sul da Europa”, declarou o chefe de Governo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dijsselbloem diz que a última coisa que quer é criar divisões na zona euro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião