Dijsselbloem e Regling elogiam progressos em Portugal

  • Lusa
  • 9 Outubro 2017

O presidente do Eurogrupo e o diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade elogiaram os progressos da economia portuguesa. Contudo, Dijsselbloem avisou que consolidação tem de continuar.

O presidente do Eurogrupo afirmou esta segunda-feira, no final de uma reunião de ministros das Finanças da zona euro, no Luxemburgo, que Portugal foi elogiado pelos progressos recentemente alcançados a nível de desempenho económico, no quadro da monitorização pós-programa.

“Elogiámos Portugal pelas recentes melhorias no desempenho económico, ao mesmo tempo que lembrámos naturalmente a importância de manter o ‘momentum’ de reforma e continuar no caminho da consolidação orçamental”, apontou Jeroen Dijsselbloem, na conferência de imprensa no final da reunião, na qual Portugal esteve representado pelo secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix.

Também o diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), Klaus Regling, apontou que “Portugal fez progressos significativos, e isso é visível nas classificações das agências de notação e nos desenvolvimentos dos mercados”, com uma queda nos juros da dívida, mas sublinhou igualmente que persistem “vulnerabilidades”, pelo que “Portugal precisa de permanecer vigilante”.

As conclusões da sexta missão pós-programa a Portugal foram um dos assuntos em agenda na reunião desta segunda-feira dos ministros das Finanças da zona euro, no Luxemburgo, um Eurogrupo que fica marcado pela despedida do ministro alemão Wolfgang Schäuble, que apontou Portugal como “prova” do sucesso da política de estabilização do euro e a ilustração de um “final feliz”.

Portugal fez progressos significativos, e isso é visível nas classificações das agências de notação e nos desenvolvimentos dos mercados.

Klaus Regling

Diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade

O relatório da Comissão Europeia sobre a sexta missão, divulgado na passada sexta-feira, também apontava para “progressos importantes”, embora alertando para que “o desafio é manter o ritmo”, defendendo por isso também “reformas ambiciosas” e uma “consolidação orçamental sustentada” para os próximos anos.

Na semana em que os Estados-membros devem ultimar as suas propostas de Orçamento para 2018 – a data-limite para apresentação dos projetos orçamentais a Bruxelas é 15 de outubro -, o ministro Mário Centeno não viaja até ao Luxemburgo, sendo Portugal representado pelo secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dijsselbloem e Regling elogiam progressos em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião