Tajani envia carta formal de protesto a Dijsselbloem

  • Margarida Peixoto
  • 3 Abril 2017

O Parlamento Europeu condenou unanimemente a recusa do presidente do Eurogrupo de participar em sessões plenárias sobre questões de economia e finanças.

O Presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, enviou uma carta formal, de protesto, a Dijsselbloem. Os eurodeputados condenaram de forma unânime a atitude do presidente do Eurogrupo, que se tem recusado a participar em debates no plenário sobre questões económicas ou financeiras da União.

É mais um motivo de pressão a Dijsselbloem. Depois da condenação, por parte de alguns responsáveis europeus, pelas declarações que fez sobre o esforço dos países do sul da Europa — em que comparou o pedido de ajuda dos países mais afetados pela crise ao de alguém que pede apoio e depois gasta tudo em “copos e mulheres” — Dijsselbloem está agora sob a pressão de todos os eurodeputados.

“O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, e eurodeputados dos vários grupos políticos criticaram duramente, na abertura da sessão plenária, as recusas do presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, a vários convites para participar em debates na assembleia representativa dos cidadãos europeus”, lê-se no comunicado, enviado esta segunda-feira às redações.

“O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, declinou mais uma vez o nosso convite para participar num debate em plenário sobre a Grécia”, lamentou Tajani, na abertura da sessão plenária que em Estrasburgo.

Juridicamente, não há nada que obrigue Dijsselbloem a participar em debates no plenário. Contudo, a recusa do presidente do Eurogrupo foi mal recebida pelos eurodeputados, que consideraram determinante que o presidente do grupo informal dos ministros das Finanças do euro responda perante os cidadãos afetados pelas medidas de austeridade decididas, em grande medida, nesse fórum.

“Foram também reiterados os apelos à demissão de Dijsselbloem e sugerido que fosse declarado persona non grata no Parlamento Europeu”, adianta ainda o comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tajani envia carta formal de protesto a Dijsselbloem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião