Enquadramento Regulatório do Seguro de Acidentes de Trabalho

  • Ana Sofia Silva
  • 26 Novembro 2019

Ana Sofia Silva, advogada sénior na Cuatrecasas, explica o essencial do enquadramento legal do seguro de acidentes de trabalho e elenca situações quanto a grupos profissionais específicos.

Ao determinar que o trabalhador e os seus familiares têm direito à reparação de danos emergentes de acidente de trabalho ou doença profissional e que o empregador está obrigado a transferir a responsabilidade pela referida reparação para entidades legalmente autorizadas a realizar este seguro, o Código do Trabalho confere ao seguro de acidentes de trabalho para trabalhadores por conta de outrem – paradigma dos seguros de acidentes de trabalho – a natureza jurídica de seguro obrigatório.

Enquanto tal, a apólice de seguro tem que ser regulada pela Lei Portuguesa e estar redigida em Português, sendo esta a versão prevalecente em caso de discrepância com versões redigidas noutros idiomas. Por outro lado, estamos perante um seguro cujos termos e condições se encontram legalmente fixados na Portaria n.º 256/2011, de 5 de Julho que, a par com a Norma Regulamentar da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) n.º 1/2009-R, de 8 de janeiro, aprova a parte uniforme das condições gerais e as condições especiais da apólice de seguro obrigatório de acidentes de trabalho para trabalhadores por conta de outrem.

Por força do exposto, qualquer seguradora que pretenda cobrir, em Portugal, o risco de acidente de trabalho de um trabalhador por conta de outrem terá que submeter a apólice de seguro respetiva a declaração prévia de conformidade legal por parte da ASF e contribuir para o Fundo de Acidentes de Trabalho. As seguradoras que explorem este seguro exclusivamente ao abrigo do regime de livre prestação de serviços estão ainda obrigadas a nomear um representante para sinistros, residente habitualmente ou estabelecido em Portugal, a quem deverão conferir poderes suficientes para as representar (i) junto dos sinistrados, (ii) perante os tribunais e autoridades portuguesas, no que respeita aos pedidos de indemnização e (iii) perante a ASF, no que se refere ao controlo da existência e validade das apólices de seguro e respetivo registo.

Os requisitos acima referidos aplicar-se-ão sempre que esteja em causa o cumprimento da obrigação de segurar o risco de acidente de trabalho localizado em Portugal, que deverá ser objeto de uma apólice de seguro específica, subscrita por seguradora devidamente autorizada em Portugal, seja em regime de estabelecimento seja em regime de livre prestação de serviços, ainda que a mesma possa fazer parte de uma apólice master com um âmbito de aplicação mais vasto.

Finalmente, cumpre ainda salientar que não existe atualmente um regime jurídico único aplicável aos seguros de acidentes de trabalho. Com efeito, o legislador sentiu a necessidade de não só estabelecer um seguro de acidentes de trabalho específico para os trabalhadores independentes – também ele sujeito a uma apólice uniforme – mas também de clarificar a aplicação do regime do seguro de acidentes de trabalho dos trabalhadores por conta de outrem a determinadas atividades (v.g. à prestação de serviços de construção em território nacional por prestadores legalmente estabelecidos noutros Estados membros da União Europeia, à atividade dos guardas dos recursos florestais, ao transporte particular de trabalhadores agrícolas nas caixas de carga dos reboques, semi-reboques e veículos de mercadorias de caixa aberta afetos a essa atividade, aos trabalhadores temporários e aos praticantes desportivos profissionais).

  • Ana Sofia Silva
  • Advogada Associada Sénior da Cuatrecasas

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Enquadramento Regulatório do Seguro de Acidentes de Trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião