Futuro do trabalho: O que muda na experiência do colaborador?

  • Fernando Braz
  • 6 Setembro 2021

Formas de trabalho híbridas oferecem oportunidades para aumentar os níveis de produtividade e de flexibilidade. Também envolvem alguns desafios: evitar o risco de esgotamento dos colaboradores.

O último ano mudou fundamentalmente a forma como trabalhamos. E a verdade é que isso nos encorajou a alterar os nossos espaços de trabalho de forma a acomodarem um estilo de trabalho mais híbrido. Independentemente de como as empresas irão funcionar após a pandemia – de forma virtual, presencial ou através de uma combinação de ambas – a experiência do colaborador será amplamente definida pelas tecnologias que os capacitam.

As formas de trabalho híbridas oferecem oportunidades para aumentar os níveis de produtividade e de flexibilidade. No entanto, também envolvem alguns desafios, nomeadamente para evitar o risco de esgotamento por parte dos colaboradores. Assim, e de forma a encontrar novas formas para a experiência do colaborador, os líderes de negócios devem basear-se em três prioridades.

  • Melhorar a qualidade de vida dos colaboradores no mundo digital

Da mesma forma que a tecnologia pode ser utilizada para criar ótimas experiências para o consumidor, mais do que nunca as empresas precisam de criar experiências mais relevantes e envolventes para os seus colaboradores, onde quer que eles se encontrem. Nesse sentido, devem considerar de que forma podem tirar partido de ferramentas como os chatbots para lembrar os colaboradores de que devem fazer uma pausa no ecrã ou para facilitar o acesso a determinados recursos.

As empresas podem também encorajar os gestores a serem mais seletivos sobre quando devem realizar videoconferências e facultar aos colaboradores a opção de manter ou não o vídeo durante as chamadas. Assim como os dados podem ajudar os líderes a tomarem decisões mais rápidas e inteligentes para beneficiar os clientes, os resultados obtidos através de pesquisas e outras formas de envolvimento podem ajudar na implementação de iniciativas que dão prioridade ao bem-estar.

  • Cultivar uma cultura de aprendizagem contínua

Assim como o mundo totalmente digital em que vivemos apresenta aos profissionais uma oportunidade de transcenderem as fronteiras tradicionais e explorarem novos grupos de talentos, também exige que as organizações invistam mais em capacidades básicas e sociais. Os líderes empresariais devem garantir que os seus colaboradores tenham acesso fácil a oportunidades de desenvolvimento. Quanto mais sentirem que são responsáveis pela evolução da sua própria carreira, mais envolvidos ficarão.

É também fundamental que as oportunidades de requalificação e crescimento sejam facilmente acessíveis. Se um colaborador gasta muito tempo a procurar o quê e como aprender, é mais provável que nada venha a acontecer. Isto também significa proporcionar mais visibilidade sobre as funções em aberto na empresa. Para obterem o melhor das pessoas, os líderes precisam de criar uma cultura de recursos humanos focada na aprendizagem e no desenvolvimento contínuo, de acordo com as necessidades do negócio.

  • Encorajar a flexibilidade e dar prioridade à segurança

Dar prioridade à experiência do colaborador na era digital irá exigir a experiência das áreas de Recursos Humanos (RH) e das Tecnologias da Informação (TI). Os empregadores devem confiar nos colaboradores para estes realizarem o trabalho durante o horário que funciona melhor para eles, oferecendo opções flexíveis. À medida que as equipas se tornam mais distribuídas, liderar com empatia e compreensão torna-se ainda mais importante.

A experiência do colaborador também depende das conexões certas. Os RH precisam de conectar os colaboradores com oportunidades e com outras pessoas, para gerir o seu bem-estar, desenvolvimento e segurança, e para melhorar o seu serviço e envolvimento. As TI precisam de manter os colaboradores conectados aos dispositivos e recursos certos para torná-los bem-sucedidos. Ambas as equipas precisam de estar conectadas quanto à confiabilidade, segurança, facilidade de acesso e privacidade.

Para facilitar a transição para um local de trabalho pós-pandemia, a raiz do sucesso está na gestão eficaz da experiência do colaborador – com as ferramentas, abordagens e mentalidade certas que irão criar um efeito cascata positivo nos negócios.

  • Fernando Braz
  • Country Leader da Salesforce em Portugal

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Futuro do trabalho: O que muda na experiência do colaborador?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião