Já conhece o Programa InvestEU 2021-2027?

O Programa InvestEU é o novo “Plano Juncker” e vem simplificar o financiamento das PME e startups.

O Plano de Investimento para a Europa (conhecido como “Plano Juncker”) foi criado com a ambição de alavancar um investimento de EUR 315 mil milhões até 2020. Mas foi mais longe. Os dados mais recentes indicam que o Plano Juncker criou 1.,1 milhões de empregos, beneficiou mais de 1.043.000 PME e startups e mobilizou cerca de 450,6 mil milhões de euros de investimento, gerando um aumento do PIB da União Europeia (UE) de 0,9%.

Portugal está entre os países que obteve maior financiamento em percentagem do PIB. Em causa estão 2,8 mil milhões de euros de financiamento, prevendo-se que mobilize investimentos adicionais de 10,2 mil milhões de euros.

O balanço do Plano Juncker é extremamente positivo. Os resultados demonstram que esta é uma estratégia acertada para promover o investimento na UE. Contudo, é necessário simplificar o processo de financiamento para obter resultados ainda mais ambiciosos.

Com este propósito foi delineado o Novo Programa InvestEU que visa simplificar o acesso das PME e startups ao financiamento da UE, reunindo numa única plataforma vários instrumentos financeiros da UE atualmente disponíveis para financiar projetos de investimento. A partir de uma dotação inicial de EUR 15,2 mil milhões, o Programa deverá mobilizar investimentos no montante de 650 mil milhões de euros ao longo de 2021-2027.

Neste contexto, importa conhecer melhor os principais aspetos deste novo Programa:

  1. Em que consiste? O Programa será constituído por três pilares: (i) o fundo InvestEU que mobiliza o investimento público e privado com base em garantias do orçamento da UE, (ii) a plataforma de aconselhamento InvestEU que efetua o aconselhamento técnico dos projetos de investimento e (iii) o portal InvestEU, uma base de dados facilmente acessível, que reúne projetos e investidores.
  2. Como financia? O novo fundo será baseado em empréstimos e os Estados Membros vão poder utilizar 5% dos seus fundos estruturais como garantia de operacionalização deste financiamento.
  3. O que financia? Projetos economicamente viáveis e de risco elevado enquadrados em quatro domínios de intervenção: (i) Infraestruturas Sustentáveis, (ii) Investigação, Inovação e Digitalização, (iii) PME e Pequenas Empresas de Média Capitalização e (iv) Investimento Social e Competências. O programa InvestEU será flexível: terá a capacidade de reagir às variações do mercado e à evolução das prioridades políticas ao longo do tempo.
  4. Principais benefícios. Apoio ao financiamento de forma mais simples e mais flexível e a criação de um único programa coerente que irá assegurar economias de escala: maior diversificação dos riscos, governação mais integrada e inclusão das políticas transectoriais, com o agrupamento de 14 instrumentos financeiros numa só estrutura.
  5. Critérios de elegibilidade. Os projetos devem: (i) resolver as deficiências do mercado ou as lacunas de investimento, (ii) ser economicamente viáveis, (iii) ter necessidade do apoio da UE para o seu arranque, (iv) alcançar um efeito multiplicador e, sempre que possível, mobilizar o investimento privado e (v) ajudar a cumprir os objetivos estratégicos da UE.
  6. Cumulatividade. O financiamento do InvestEU pode ser combinado com outros instrumentos financeiros e/ou com subvenções provenientes de outros programas (por exemplo o Horizonte Europa ou o Programa do Mercado Único).
  7. Pedido de financiamento. O pedido deve ser efetuado diretamente ao Banco Europeu de Investimento, aos bancos de fomento nacionais ou regionais, ou aos organismos nacionais de outros parceiros financeiros, como o Banco Mundial, o BERD, ou o Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa.

O Programa InvestEU será um instrumento relevante para apoiar o financiamento das PME e de startups que irá contribuir para promover o emprego, o crescimento e a inovação na Europa e permitir posicionar as empresas europeias no mercado global, cada vez mais competitivo e dinâmico.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já conhece o Programa InvestEU 2021-2027?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião