Governo aumenta transferências para a Madeira e Açores em quase seis milhões de euros

No anterior Governo, só por uma vez -- em 2018 -- o Executivo liderado por António Costa aumentou de forma expressiva as transferências para as regiões. Madeira perde 25 milhões de fundos de coesão.

O Governo vai aumentar as transferências do Orçamento do Estado para as regiões autónomas dos Açores e da Madeira em mais de 3% em 2020, de acordo com uma versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2020. A Madeira recebe mais 5,9 milhões de euros e os Açores mais 5,6 milhões.

No próximo ano, os governos de Vasco Cordeiro e Miguel Albuquerque vão receber mais dinheiro do Orçamento do Estado. Os dois presidentes, que estiveram em Lisboa nas últimas semanas para conversar com António Costa sobre as preocupações com o próximo Orçamento, vão ver as verbas que recebem do Orçamento do Estado reforçadas.

No caso dos Açores, o aumento da transferência é equivalente a 3,03%, cerca de 5,6 milhões de euros. Já a Madeira, vai receber mais 5,9 milhões de euros, o equivalente a um aumento de 3,3%.

Este é apenas o segundo aumento expressivo que as regiões recebem com os governos de António Costa. Em 2017, as transferências até foram reduzidas, tal como aconteceu em 2019.

A Região Autónoma dos Açores também irá receber mais cerca de três milhões de euros de verbas relativas ao Fundo de Coesão, que se destina a apoiar exclusivamente programas e projetos de investimentos constantes dos planos anuais de investimento das regiões autónomas.

Já a Madeira terá uma redução substancial nestas verba, que passam dos quase 71 milhões de euros em 2019 — valores muito semelhantes ao que recebeu pelo menos desde 2016 — para apenas 45,7 milhões de euros, ou seja, menos 25 milhões que o previsto no Orçamento deste ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo aumenta transferências para a Madeira e Açores em quase seis milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião