Novo hospital da Madeira cofinanciado em 50% pelo Orçamento do Estado

  • Lusa
  • 20 Novembro 2019

Além do primeiro-ministro, António Costa, o encontro contou também com a presença do ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, com o objetivo de preparar o OE2020.

O Governo Regional da Madeira recebeu esta quarta-feira, em Lisboa, o compromisso do primeiro-ministro, António Costa, de cofinanciamento em 50% da construção e dos equipamentos do novo hospital da região, no âmbito do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

“Por parte do senhor primeiro-ministro, há uma vontade empenhada, determinada, no sentido de resolver algumas das questões. Uma das questões é a clarificação relativamente ao cofinanciamento do Hospital Central do Funchal”, afirmou o presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque (PSD), em declarações aos jornalistas, após uma reunião com o Governo da República, que decorreu no Palácio de São Bento, em Lisboa.

Além do primeiro-ministro, António Costa, o encontro contou com a presença do ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, com o objetivo de preparar o OE2020.

“Foi uma reunião cordial, correu muito bem e constatamos, de ambas as partes, a possibilidade de chegarmos a um entendimento relativamente ao conjunto de ‘dossiers’ que temos pendentes”, disse Miguel Albuquerque.

Entre os três pontos essenciais discutidos na reunião, o presidente do executivo regional destacou a necessidade de se encontrar uma solução para que os residentes na Madeira não tenham que continuar a adiantar os valores “exorbitantes” nas passagens aéreas de ligação ao território continental e vice-versa.

“Vamos constituir, rapidamente, um grupo de trabalho para avançarmos com a possibilidade de os residentes na Madeira não terem de adiantar as quantias muito elevadas que têm que fazer para viajar em território nacional”, adiantou o presidente do Governo Regional, referindo que deve ser encontrada uma solução semelhante à que foi gizada para os estudantes, “em que o residente só paga o valor dos 86 euros”.

Outra das questões abordadas foi a necessidade de se fazer um estudo de mercado para averiguar da possibilidade ou não de ser criada uma ligação marítima para a Madeira. “Vamos avançar, também, no que diz respeito à ligação marítima, com um estudo de mercado, no sentido de avaliarmos da possibilidade de ter essa linha”, referiu o responsável pelo executivo madeirense, explicando que é preciso saber se há companhias interessadas em investir no serviço de ‘ferry’ que assegure a ligação entre a região e a cidade de Lisboa.

Na perspetiva de Miguel Albuquerque, a mobilidade dos cidadãos portugueses dentro de território nacional “é uma situação que urge resolver”, pelo que as medidas nesse âmbito vão “avançar rapidamente”.

Questionado sobre se houve a garantia de que estas questões vão constar no OE2020, nomeadamente o cofinanciamento do novo hospital da região, o presidente do Governo da Madeira disse que recebeu esse “compromisso”, frisando que “a palavra de um primeiro-ministro é palavra sagrada”.

“Temos que avançar já para o próximo ano. Isto são situações que têm que ser resolvidas e, neste momento, temos todas as condições de diálogo institucional e de colaboração para trabalhar em conjunto para a solução que tem a ver com o interesse nacional”, reforçou.

Rejeitando a ideia de existir um caderno de encargos apresentado pelo Governo Regional da Madeira ao Governo da República, Miguel Albuquerque realçou que, neste momento, o que há é “um diálogo profícuo”.

Passámos o período eleitoral, neste momento, temos quatro anos para trabalhar em conjunto”, apontou o presidente do executivo madeirense, acrescentando que existem dois Governos, Regional da Madeira (PSD/CDS) e República (PS), constituídos legitimante, que têm que colaborar e que têm que encetar um dialogo útil em prol das populações.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo hospital da Madeira cofinanciado em 50% pelo Orçamento do Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião