Comissão: Orçamento tem de ter ajustamento de 0,4% para cumprir regras europeias

Portugal ainda não tem orçamento para a Comissão analisar, mas o vice-presidente Valdis Dombrovskis disse que a proposta que será apresentada tem de ter um ajustamento estrutural de 0,4% do PIB.

O vice-presidente da Comissão Europeia para o Euro, Valdis Dombrovskis, disse esta quarta-feira que o Orçamento do Estado para 2020 tem de prever uma redução do défice estrutural na ordem dos 0,4% do PIB para cumprir as regras europeias, e instou o Governo português a incluir esse ajustamento no documento que vai entregar ao Parlamento em dezembro, e que terá de enviar para Bruxelas de seguida.

“[O orçamento português] de facto, foi considerado como estando em risco de incumprimento, mas só recebemos o cenário em políticas invariantes, por isso esperamos pela proposta de Orçamento do Estado”, explicou Valdis Dombrovskis, na apresentação feita Comissão Europeia das análises aos orçamentos nacionais.

O letão, que continuará a ser o vice-presidente responsável pela área económica na próxima Comissão, disse que a recomendação feita a Portugal é para que faça o ajustamento com que se comprometeu com os ministros das Finanças no verão, na ordem dos 0,4% do PIB.

“Como para todos os países em risco de incumprimento, instamos as autoridades portuguesas a apresentar uma proposta de Orçamento do Estado que esteja em cumprimento com o Pacto de Estabilidade e Crescimento. No caso de Portugal, exigiria, de acordo com a decisão do Conselho [da União Europeia], um ajustamento estrutural de 0,4% do PIB em 2020”, afirmou Valdis Dombrovskis.

Devido ao calendário eleitoral, Portugal só enviou para Bruxelas uma atualização das previsões económicas, num cenário de políticas invariantes (sem qualquer nova medida para além daquelas que já estão aprovadas e legisladas). Portugal não foi o único país a fazê-lo — Áustria, Bélgica, Espanha também entregaram apenas novas previsões –, e as regras permitem que assim seja.

No entanto, isso não deixará Portugal de fora da avaliação da Comissão Europeia. O Executivo já disse às autoridades portuguesas que tem de enviar a proposta de Orçamento do Estado para 2020 assim que possível, e esta tem de chegar pelo menos um mês antes de ser votada no Parlamento, para dar tempo à Comissão para se pronunciar.

Nas previsões enviadas a 15 de outubro, Mário Centeno disse à Comissão que espera um agravamento do défice estrutural em 0,2% do PIB em 2020, sem a introdução de novas medidas. Na resposta, a Comissão avisou que esta seria uma violação das regras.

Agora, a Comissão Europeia deixa o aviso que Portugal tem de ir mais longe. Para passar no crivo de Bruxelas, terá de reduzir o défice estrutural em 0,4% do PIB, o que significa que o próximo orçamento teria de ter medidas que implicassem novas poupanças. O saldo estrutural exclui o impacto do ciclo económico e medidas extraordinárias, o que significa que a melhoria da economia não conta para a redução deste indicador.

“Não há polícia bom e polícia mau”

Naquela que foi a sua última conferência de imprensa enquanto comissário europeu, Pierre Moscovici foi questionado pelos jornalistas se houve uma estratégia de ‘polícia bom, polícia mau’ entre o francês e Valdis Dombrovskis, ambos responsáveis no processo do Semestre Europeu, em relação a Portugal, em alusão aos comentários mais positivos do francês em relação a Portugal.

Pierre Moscovici rejeitou que assim fosse e garante que sempre trabalhou em conjunto com o Valdis Dombrovskis, que vai continuar a ser vice-presidente da Comissão Europeia que se segue:

“Esse comentário poderia ter sido feito para outros países, mas em geral está errado. Não há policia bom e polícia mau aqui. Somos diferentes nos nossos temperamentos, nas nossas famílias políticas, mas sempre trabalhámos lado a lado e sempre alcançámos consensos”, disse o francês, acrescentando que ambos são amigos e que as suas diferenças enriqueceram o processo.

Em relação a Portugal, Pierre Moscovici voltou a deixar um elogio rasgado ao trabalho feito nos últimos anos, desde a crise à recuperação: “Uma coisa é certa, ambos adoramos Portugal e todos apreciamos o esforço que foi feito nos últimos anos. Quando vejo a situação atual, e não tem a ver com política mas com um país, estou satisfeito que Portugal esteja a caminho de um orçamento equilibrado, de ver que há um boom em Portugal e há uns anos a situação não era esta, de todo”, disse.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão: Orçamento tem de ter ajustamento de 0,4% para cumprir regras europeias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião