Comissão Europeia admite que faz previsões pessimistas para Portugal. “E prefiro que assim seja”, diz Moscovici

O comissário europeu para os Assuntos Económicos admite que Bruxelas tem sido mais pessimista nos últimos anos nas previsões que faz para Portugal e Espanha, explicando que prefere jogar pelo seguro.

O comissário europeu para os Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, admitiu esta quinta-feira que a Comissão Europeia tem sido mais pessimista nas previsões económicas que faz para Portugal e Espanha em comparação com outros países, argumentando que prefere jogar pelo seguro dando o exemplo do jogo Monopólio: “Se joga Monopólio, sabe que é preferível que o erro do banco seja a nosso favor e não o contrário”.

“Tenho que dizer que notei que nos anos recentes a Comissão Europeia — geralmente as nossas previsões são bastante boas –, mas temos sido algumas vezes um pouco pessimistas relativamente a Portugal e a Espanha. E prefiro que assim seja. Se joga Monopólio, sabe que é preferível que o erro do banco seja a nosso favor e não o contrário”, disse o comissário francês, que não continuará na Comissão de Ursula von der Leyen, que ainda não foi aprovada pelo Parlamento Europeu.

Pierre Moscovici apresentava as previsões de outono da Comissão Europeia, a última vez que o faz na qualidade de Comissário, e foi questionado com o otimismo do Executivo relativamente a este ano e o que motiva o abrandamento esperado para o crescimento económico de 2% para 1,7% no próximo ano.

O francês explicou que esse abrandamento não se deve a qualquer fator relacionado com as finanças públicas portuguesas (a Comissão alinhou as suas previsões com as do Governo relativamente ao défice, e espera um equilíbrio orçamental em 2020), mas sim ao enquadramento externo.

“Esta moderação não se deve a este ou aquele fator de finanças públicas, mas à procura externa, numa altura em que o consumo privado e investimento devem continuar a crescer de forma robusta. É porque esta economia está aberta ao mundo e porque vocês não estão imunes ao que acontece globalmente, especialmente quando esta economia está ligada aos serviços e turismo”, explicou Pierre Moscovici.

O comissário deixou, ainda assim, uma nota de otimismo. Como, na sua análise, as previsões da Comissão Europeia costumam ser mais pessimistas para os países da península ibérica, aconselha cuidado na leitura das previsões. Ou seja, devem servir como base, mas o crescimento é robusto e até pode vir a ser melhor que o que a Comissão espera agora.

A atividade económica deve moderar em Portugal, mas ainda se irá manter em níveis muito substanciais, dos 2,4% em 2018, para 2% em 2019 e 1,7% em 2020 e 2021, muito acima da média da zona euro. (…) Isto quer dizer que, caso as circunstâncias melhorem, a taxa de crescimento pode ser melhor, ainda melhor”, disse.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia admite que faz previsões pessimistas para Portugal. “E prefiro que assim seja”, diz Moscovici

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião