Bruxelas volta a rever em baixa ritmo de crescimento na Zona Euro

  • Lusa
  • 7 Novembro 2019

Em comparação com as projeções anteriores, Bruxelas retira uma décima às expectativas de crescimento do PIB, para 1,1% do PIB este ano, e duas décimas à previsão de crescimento em 2020, para 1,2%.

A Comissão Europeia voltou esta quinta-feira a rever em baixa a previsão de crescimento da economia da Zona Euro, para 1,1% do PIB este ano e 1,2% em 2020, uma desaceleração pronunciada que Bruxelas atribui ao ambiente externo desfavorável.

Na comparação com as anteriores projeções macroeconómicas de verão, publicadas em julho, as previsões de outono publicadas esta quinta-feira pelo executivo comunitário retiram uma décima às expectativas de crescimento do Produto Interno Bruto no corrente ano (há quatro meses previa uma expansão de 1,2%) e duas décimas à previsão de crescimento em 2020 (antecipava antes 1,4%). A Comissão espera que o ritmo de crescimento se mantenha nos 1,2% também em 2021.

Há precisamente um ano, nas previsões de outono de 2018, Bruxelas estimava que a economia do espaço da moeda única crescesse 1,9% este ano e 1,7% no próximo.

Apesar de este ser o sétimo ano consecutivo de crescimento económico na área do euro, ao longo dos últimos exercícios sazonais de previsões, Bruxelas tem procedido a sucessivas revisões em baixa do ritmo da expansão, que tem abrandado de forma vincada, face aos valores de crescimento registados nos últimos quatro anos (2,1% em 2015, 1,9% em 2016, 2,4% em 2017 e 1,9% no ano passado).

Também para o conjunto da União Europeia, o executivo comunitário reviu em baixa as suas mais recentes projeções macroeconómicas, estimando que a economia do conjunto dos 28 Estados-membros progrida 1,4% este ano e nos dois próximos, quando no verão esperava que acelerasse para os 1,6% já em 2020.

Assumindo que “o caminho anuncia-se difícil”, já que “o ambiente externo tornou-se menos favorável e as incertezas são de vulto”, o executivo comunitário admite que há riscos de o crescimento da economia europeia no curto e médio prazo ser ainda mais fraco do que agora prevê.

Uma nova escalada das incertezas ou um agravamento das tensões comerciais e geopolíticas pesarão sobre o crescimento, assim como um abrandamento mais brutal do que o previsto na China, que poderá ocorrer se as medidas adotadas até agora não tiverem os efeitos esperados”, adverte Bruxelas, que reconhece outros riscos.

“Mais perto daqui, os riscos incluem a eventualidade de um ‘Brexit’ desordenado e a possibilidade de a fraqueza do setor industrial ter mais repercussões do que o previsto nos setores voltados para o mercado interno”, admite a Comissão Europeia.

No sentido inverso, e numa nota mais otimista, “um desanuviamento das tensões comerciais, um crescimento mais acentuado na China e uma dissipação das tensões geopolíticas teriam um efeito favorável sobre o crescimento”, aponta Bruxelas, observando que, “na Zona Euro, o crescimento seria igualmente mais sustentado se os Estados-membros que dispõem de uma margem de manobra orçamental optassem por políticas orçamentais mais expansionistas do que o previsto”.

No entanto, admite o executivo comunitário, os riscos de uma (nova) revisão em baixa são “claramente superiores”.

Como notas positivas, Bruxelas observa que, “por toda a UE, a criação de postos de trabalho deu mostras de uma resiliência extraordinária”, situação que, admite, se deve em parte ao facto de as evoluções económicas por norma levarem tempo a ter repercussões no emprego”, mas também devido a um “redirecionamento de empregos para os setores dos serviços”.

“Apesar de um provável abrandamento na criação de emprego, a taxa de desemprego na Zona Euro deverá continuar a baixar e passar de 7,6% este ano para 7,4% em 2020 e para 7,3% em 2021”, enquanto no conjunto da União deverá recuar para os 6,3% em 2019, antes de se fixar nos 6,2% em 2020 e 2021.

Por outro lado, Bruxelas estima que as finanças públicas na Europa continuem a “beneficiar de taxas de juro muito baixas sobre a dívida remanescente”, pelo que, apesar de um crescimento mais fraco do Produto Interno Bruto, o rácio total de dívida pública/PIB na Zona Euro deverá voltar a recuar pelo quinto ano consecutivo, baixando para os 86,4% este ano, para os 85,1% no próximo e para os 84,1% em 2021.

Já os saldos das contas públicas deverão registar uma “ligeira deterioração”, antecipando a Comissão Europeia que o défice agregado da Zona Euro passe de “um nível historicamente baixo de 0,5% do PIB em 2018 para 0,8% este ano, para 0,9% em 2020 e para 1,0% em 2021, num cenário de políticas inalteradas.

Por fim, Bruxelas projeta que a taxa de inflação permaneça fraca, esperando que o índice harmonizado de preços no consumidor na Zona Euro se estabeleça nos 1,2% tanto este ano com no próximo e suba ligeiramente para os 1,3% em 2021.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas volta a rever em baixa ritmo de crescimento na Zona Euro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião