Três horas e meia em dezenas de pitch: Costa elogiou, comentou e até tirou selfies no Web Summit

Faltou à abertura, mas compensou a ausência com uma visita de três horas e meia. Entre pitch, experiências e perguntas, Costa elogiou a evolução do Web Summit e reforçou o papel de "montra" do evento.

Mais ou menos a meio do caminho, Yordie Kidane aproxima-se de António Costa.

“Hi! Where are you from?”

“From Portugal”, responde o primeiro-ministro.

“I’m Yordie, nice to meeting you”.

“I’m António, and I’m the prime minister”

Yordie sorri, meio envergonhada, percebendo o porquê daquele aparato com mais de três dezenas de pessoas entre jornalistas, câmaras, assessores e outros membros da equipa do primeiro-ministro português, startups e curiosos. Depois, muito rapidamente, passa o telemóvel a quem primeiro se oferece para fotografar: Pedro Siza Vieira. O ministro da Economia toca no ecrã do telemóvel, ativa a função de fotografia e dispara. Yordie não podia perder a fotografia com o primeiro-ministro português.

Yordie e António Costa, fotografados pelo ministro Pedro Siza Vieira no Web Summit 2019.Mariana de Araújo Barbosa/ECO

O cenário repetiu-se vezes sem conta. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde, a sua estreia na edição deste ano do Web Summit e recém-regressado de Praga, na República Checa, onde participou na cimeira dos “Amigos da Coesão”. E tirou selfies com todos os que lhe pediram.

À chegada ao Parque das Nações, Paddy Cosgrave, CEO e cofundador do Web Summit e Artur Pereira, country manager do Web Summit para Portugal, já o esperavam entre o Altice Arena e a FIL. Acompanhado do ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, e do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, Costa e Paddy trocaram ideias sobre a edição deste ano e sobre o crescimento do evento. Depois, o primeiro-ministro seguiu visita para o lado da FIL e o irlandês voltou à base, no Altice Arena, onde ainda decorriam conferências no palco principal.

O primeiro-ministro António Costa com Artur Pereira, country manager do Web Summit (à esquerda), na sua chegada ao Web Summit.Stephen McCarthy/Web Summit via Sportsfile

“Vou tendo a mesma sensação que fui tendo nas anteriores: é a de que cada ano há uma dinâmica maior, maior vibração neste nosso ecossistema e, há cada vez mais estrangeiros, não só a virem ao Web Summit mas também a mudarem-se para Portugal para criarem as suas empresas e negócios”, disse o primeiro-ministro, em conversa com o jornalistas e, enquanto durava a visita.

António Costa visitou, além de stands de empresas como a Google ou a Microsoft, com quem tem desenvolvido parcerias — no caso da Google, com o Ministério da Cultura e, no caso da Microsoft, com startups que intervêm e têm impacto na administração pública — como também passou e ouviu pitch de startups em desenvolvimento em Portugal, que contam com o apoio da associação Startup Portugal, responsável por criar e implementar a estratégia nacionais para o empreendedorismo.

“Temos aqui vários exemplos, desde o Canadá a Cabo Verde, e isso é muito importante porque significa que hoje, muito graças também ao Web Summit, estamos a ser reconhecidos internacionalmente como uma grande plataforma do ecossistema de empreendedorismo e inovação a nível mundial”, assinalou.

Ausente da sessão de abertura da maior conferência de tecnologia e empreendedorismo, que decorreu na passada segunda-feira, o primeiro-ministro atravessou os quatro pavilhões da FIL fazendo um autêntico roteiro por dezenas de startups baseadas em Portugal, empresas que, no ano passado, representaram 1,1% do PIB nacional.

“Paddy disse-me que está muito satisfeito, que este ano tem sido mais uma vez um excelente ano e uma excelente edição, e que vai continuar a crescer”, disse o primeiro-ministro, “Esse processo é uma negociação que está em curso com a AIP e que há-de chegar a bom porto. Não estou a dizer que o pavilhão se vai estender daqui ao Porto, era um bocadinho longe de mais, mas… vai chegar a um bom destino“, brincou mais uma vez António Costa.

Em francês, em inglês e em português. Durante três horas e meia, o primeiro-ministro, o ministro da Economia e as respetivas comitivas visitaram stands, cumprimentaram e ouviram pitch de mais de uma dezena de empreendedores e recolheram cartões de visita. Aos jornalistas, António Costa disse que cada edição do evento — desde que o Web Summit se mudou, em 2016, para a capital portuguesa — é uma experiência nova.

“Felizmente a energia continua muito forte e, sobretudo, o Web Summit continua a ser uma grande montra para a abertura de Portugal e para que o mundo inteiro descubra Portugal como um grande lugar para a criação de tecnologia e de excelência da qualidade dos nossos recursos humanos”, avaliou, acrescentando: “Isso faz com que, não só tenhamos vindo a encontrar muitos estrangeiros que vieram cá abrir a sua startup como também grandes multinacionais que estão a contratar mais engenheiros e quadros portugueses e a criar mais e melhor emprego. E isto é fundamental para que todos os jovens possam encontrar em Portugal plena realização profissional e pessoal para o seu futuro”.

6 November 2019; António Costa, Prime Minister, Portugal, at Google partner stall during day two of Web Summit 2019 at the Altice Arena in Lisbon, Portugal.Stephen McCarthy/Web Summit via Sportsfile

Entre empreendedores e ideias de negócio em fase Alpha e Beta — as duas denominações do Web Summit que distinguem estágios de desenvolvimento e dimensão dos negócios destas empresas em exposição –, António Costa teve tempo para “testar” alguns dos serviços oferecidos. “Com isto já não se fazem queixas do SEF”, brincou o primeiro-ministro, depois de ver como funciona a nova tecnologia da Visionbox, em parceria com a Vinci, pensada para os aeroportos de futuro e que serve para controlo nos aeroportos através de tecnologia de reconhecimento facial. “Este é que é o sempre andar”. Foi mesmo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Três horas e meia em dezenas de pitch: Costa elogiou, comentou e até tirou selfies no Web Summit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião