Comissão Europeia diz que Portugal não cumpre regras. Exige novo esboço do Orçamento “o mais rápido possível”.

Comissão Europeia enviou uma carta a Mário Centeno pedindo uma versão revista do esboço do Orçamento o "mais rápido possível". Novas previsões apontam para incumprimento das regras europeias.

A Comissão Europeia enviou uma carta a Portugal a exigir ao ministro das Finanças que apresente um esboço do Orçamento do Estado para 2020 revisto “o mais rápido possível” que cumpra as regras orçamentais europeias. Sem medidas novas que permitam que o défice estrutural seja reduzido em pelo menos 0,5% do PIB — como o documento enviado pelo Governo a Bruxelas na semana passada prevê –, Portugal arrisca-se a ver o seu orçamento chumbado pela Comissão Europeia.

Na semana passada, para cumprir o calendário do Semestre Europeu ao abrigo do qual todos os países da Zona Euro têm até 15 de outubro para enviar a sua proposta de Orçamento do Estado para o ano seguinte, o Governo português enviou uma versão ‘light’ do que será o próximo Orçamento do Estado. Neste caso, Mário Centeno optou apenas por rever as previsões económicas tendo em conta os desenvolvimentos na conjuntura internacional e a revisão operada pelo Instituto Nacional de Estatística.

De fora, ficaram quaisquer medidas que venham a entrar no próximo Orçamento do Estado para 2020, incluindo as que já estavam previstas no Programa de Estabilidade apresentado em abril deste ano.

No entanto, depois de analisar os dados enviados pelo Governo português, a Comissão Europeia enviou uma carta a Portugal — assim com o fez para a Bélgica, Finlândia, França, Itália e Espanha — onde exige uma atualização deste documento “o mais rápido possível”, uma vez que os resultados orçamentais esperados ficam aquém daquilo que o país está obrigado à luz das regras orçamentais europeias.

Na carta, assinada pelos dois comissários responsáveis por estas áreas — o comissário dos Assuntos Económico, Pierre Moscovici, e o vice-presidente para o Euro Valdis Dombrovskis –, a Comissão Europeia diz que entende que a apresentação do orçamento vai acontecer fora do calendário devido às eleições e que o documento enviado para Bruxelas não tem qualquer medida, mas também que Portugal tem de apresentar uma versão revista à luz do Código de Conduta do Pacto de Estabilidade e Crescimento.

"Estes elementos [défice estrutural e despesa] parecem não estar em linha com as metas orçamentais estipuladas pelo Conselho [da União Europeia] na recomendação de 9 de julho de 2019, uma vez que apontam para um risco de um desvio significativo em 2020, e no conjunto de 2019 e 2020 tomados em conjunto, do ajustamento orçamental recomendado.”

Comissão Europeia

Segundo Bruxelas, nas previsões atualizadas Portugal viola duas das mais importantes regras do Tratado Orçamental. Aumenta o défice estrutural — que desconta o efeito do ciclo económico e as medidas extraordinárias — em vez de o reduzir em pelo menos 0,5% do PIB potencial, e prevê um crescimento da despesa na ordem dos 3,9%, quando o limite nas regras é de um crescimento máximo de 1,5%.

“Estes elementos parecem não estar em linha com as metas orçamentais estipuladas pelo Conselho [da União Europeia] na recomendação de 9 de julho de 2019, uma vez que apontam para um risco de um desvio significativo em 2020, e no conjunto de 2019 e 2020 tomados em conjunto, do ajustamento orçamental recomendado”, avisam os dois comissários.

Desde que abandonou o Procedimento dos Défices Excessivos, a principal regra para a qual a Comissão Europeia passou a olhar foi a da redução do défice estrutural. Portugal, como os restantes países, tem um Objetivo de Médio Prazo com um valor do défice estrutural que tem de atingir e todos os anos até atingir esse objetivo, os 28 ministros das Finanças da União Europeias estabelecem um ritmo de ajustamento anual mínimo obrigatório.

A Comissão Europeia pode chumbar as propostas de orçamento apresentadas pelos países e exigir uma versão revista no primeiro momento de avaliação, que acontece em novembro, mas para isso o país tem de falhar o objetivo mínimo por uma diferença superior a 0,5% do PIB.

Caso contrário, os comissários apontam apenas o risco de desvio e dizem às autoridades que têm de fazer mais durante o processo orçamental para garantir o cumprimento das regras, deixando uma posição mais drástica para o início de maio, quando voltam a analisar evolução dos orçamentos de cada um do país.

Portugal vai agora ter de responder à carta, algo a que Mário Centeno já está habituado desde que chegou ao Governo, e, dependendo das conversas tidas com a Comissão Europeia, pode mesmo vir a ter de apresentar já medidas para controlar as contas públicas ainda antes de apresentar a proposta de Orçamento do Estado para 2020 ao Parlamento.

Leia aqui a carta:

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia diz que Portugal não cumpre regras. Exige novo esboço do Orçamento “o mais rápido possível”.

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião