Justin Trudeau ganha eleições no Canadá. Mas perde maioria absoluta

  • Lusa
  • 22 Outubro 2019

O Partido Liberal, do primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, venceu as eleições no Canadá. Contudo, sem repetir a maioria absoluta das eleições de 2015.

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, disse esta terça-feira que “ouviu a mensagem” dos cidadãos, depois de vencer as eleições gerais realizadas na segunda-feira, mas sem revalidar a maioria absoluta, perdendo mesmo o voto popular.

De acordo com os resultados provisórios, o Partido Liberal (PL) de Trudeau deverá garantir 156 dos 338 deputados da Casa dos Comuns, 14 menos do que o necessário para governar sem o apoio de outros grupos políticos. Nas eleições de 2015, os liberais conquistaram 184 mandatos.

Por sua vez, o Partido Conservador (PC) assegurou 122 deputados, contra os 99 conquistados em 2015. Seguiu-se o Bloco do Quebeque (BQ), com 32 deputados; o Novo Partido Democrata, com 24; o Partido Verde, com três, e um independente. O grande vencedor da noite eleitoral foi o BQ separatista, que passou de dez para 32 deputados.

Embora os liberais tenham assegurado 34 deputados a mais que os conservadores, o PC obteve mais votos que o PL: seis milhões (34,5%), contra 5,7 milhões (33%). O sistema eleitoral canadiano favoreceu Trudeau, já que os eleitores de cada um dos 338 círculos eleitorais do país elegem um único deputado para a Casa dos Comuns, o que significa que apenas os votos obtidos pelo candidato vencedor contam.

O resultado implica que Trudeau terá que procurar apoio dos partidos da oposição para garantir as suas propostas legislativas, uma vez que no Canadá não há tradição de governos de coligação, uma circunstância que nunca ocorreu no país ao nível federal.

Num discurso perante os seus apoiantes em Montreal, após ser confirmada a vitória liberal, Trudeau estendeu a mão às províncias de Quebec e Alberta, onde o PL perdeu uma parte substancial do apoio popular. “Queridos quebequenses, ouvi a mensagem”, disse Trudeau, acrescentando que o resultado deixa claro que a província de língua francesa deseja continuar a fazer parte do Canadá, apesar de o BQ ter triplicado o seu apoio.

Trudeau explicou que o aumento do apoio ao BQ traduz a vontade daquela população em ser mais “ouvida em Otava”, algo que prometeu fazer no futuro. Em Alberta e Saskatchewan, as duas províncias ocidentais que votaram massivamente no PC e onde os liberais não obtiveram nenhum deputado, Trudeau disse que foi escutada a frustração dos eleitores e que seu Governo trabalhará “para unir o país”.

O primeiro-ministro também deixou claro que os canadianos “votaram numa agenda progressiva e de ação contra a crise climática” e que essa será uma missão para os deputados liberais.

O líder do BQ, Yves-Francois Blanchet, realçou junto dos seus apoiantes, também em Montreal, que a formação que dirige “não quer participar” no Governo federal, mas que cooperará com outros partidos nas propostas que beneficiem a província francófona. Acrescentou que o BQ vai opor-se à expansão de oleodutos para o leste do país e referiu que “seu trabalho não é fazer o federalismo canadiano funcionar”, mas tão pouco impedi-lo, enquanto espera que a população do Quebeque escolha outro caminho que faça daquela província uma nação soberana.

(Notícia atualizada às 9h22 com resultados das eleições)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Justin Trudeau ganha eleições no Canadá. Mas perde maioria absoluta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião