Governo quer atualizar escalões de IRS abaixo da taxa de inflação prevista. Contribuintes perdem poder de compra

Na versão preliminar do OE2020 a que o ECO teve acesso, os escalões de IRS são atualizados em 0,3%. Centeno espera que taxa de inflação varie entre 1,2% e 1,4%. Contribuintes perdem poder de compra.

O Governo quer atualizar os escalões de IRS em 0,3%, abaixo da taxa de inflação prevista pelo Executivo para 2020 que, segundo informações dadas pelo ministro das Finanças aos partidos, deverá andar entre 1,2% e 1,4% no próximo ano, revela uma versão preliminar da proposta de lei do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), a que o ECO teve acesso. Os contribuintes vão perder poder de compra já que não são esperadas mexidas nas taxas de IRS.

A taxa de atualização utilizada pelo Executivo é igual à que foi usada nas negociações com a Função Pública para os aumentos salariais de 2020.

Sempre que os escalões de IRS são atualizados abaixo da taxa de inflação prevista para o ano em causa, os contribuintes saem penalizados. Isto acontece porque como as taxas de IRS são progressivas, a atualização dos limites dos escalões com uma taxa mais baixa faz com que uma fatia menor do rendimento seja tributada pelo escalão inferior.

O pior dos cenários foi o que aconteceu no Orçamento de 2019 quando o Governo decidiu não atualizar os escalões. Desta vez deverá haver um avanço — já que é esperada alguma atualização –, mas esta ficará ainda assim abaixo da taxa de inflação projetada para 2020.

De acordo com a mesma versão da proposta do Orçamento do Estado, sobe para 7.112 euros o limite de rendimento coletável a partir do qual é tributado IRS. Este ano, tal como no anterior, é de 7.091 euros.

O Governo entrega esta segunda-feira a proposta de Orçamento do Estado para 2020. O processo legislativo na Assembleia deverá estar fechado a 6 de fevereiro, data para a quela está prevista a votação final global do documento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer atualizar escalões de IRS abaixo da taxa de inflação prevista. Contribuintes perdem poder de compra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião