Dedução no IRS para segundo filho mais do que duplica em 2020

O "bónus" que acresce à dedução fixa por dependente vai passar de 126 euros para 300 euros, para as famílias com dois ou mais filhos. Isto de acordo com a versão preliminar do OE.

A partir do próximo ano, as famílias com vários filhos até aos três anos vão ver as deduções em sede de IRS crescer. De acordo com a versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2020, a que o ECO teve acesso, o “bónus” que acresce à dedução fixa por dependente (a partir do segundo filho) vai passar dos atuais 126 euros para 300 euros.

“Os montantes serão de 300 euros e 150 euros, a partir do segundo dependente, quando existam dois ou mais dependentes que não ultrapassem três anos de idade até 31 de dezembro a que respeito o imposto“, lê-se na proposta.

Atualmente, está prevista no Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares uma dedução fixa em sede de IRS de 600 euros por dependente, à qual acresce um “bónus” de 126 euros, a partir do segundo filho quando este não ultrapasse três anos de idade. A partir do próximo ano, essa majoração vai subir para 300 euros, concretizando-se a promessa feita por António Costa, durante a campanha eleitoral para a ida às urnas de 6 de outubro.

A lei prevê ainda que, no caso dos menores cujas responsabilidades parentais sejam partilhadas e esteja em causa residência alternada, a dedução fixa deverá ser de 300 euros por cada sujeito passivo e o “bónus” referido de 63 euros para cada um desses contribuintes. De acordo com a versão preliminar da proposta do OE, esse valor também vai subir, passando para 150 euros por cada sujeito.

Em julho, quando o PS apresentou esta medida como promessa eleitoral, os socialistas tinham estimado que tal mudança nas deduções custaria 50 milhões por ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dedução no IRS para segundo filho mais do que duplica em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião