Portugal deve fazer “desmame” dos fundos europeus para formação, diz Correia de Campos

  • Lusa
  • 18 Dezembro 2019

"O problema da aprendizagem ao longo da vida é o facto de as nossas intenções, como país, estarem nesta matéria profundamente dependentes dos fundos europeus", afirmou Correia de Campos.

O presidente do Conselho Económico e Social (CES), Correia da Campos, considerou esta terça-feira que a melhoria dos salários depende sobretudo da aposta na formação profissional, mas sublinhou que Portugal tem de fazer o “desmame” dos fundos europeus nesta área.

“O que é que pode fazer com que se ofereçam salários melhores aos trabalhadores? Formação profissional, não há outra solução”, disse Correia de Campos no Parlamento, numa audição conjunta das comissões de Trabalho e Segurança Social e Economia e Inovação, no âmbito da sua indigitação para mais um mandato à frente do CES.

Perante os deputados, o presidente do CES disse que o aumento do salário mínimo constitui um “esforço importante” para a melhoria geral de salários, mas é “insuficiente”, já que a aposta numa fase de transição digital deve ser na aprendizagem ao longo da vida e na formação profissional, tema que vai gerar preocupações “nos próximos 15 ou 20 anos”.

O problema da aprendizagem ao longo da vida é o facto de as nossas intenções, como país, estarem nesta matéria profundamente dependentes dos fundos europeus”, afirmou Correia de Campos. “Temos de, aos poucos, praticar um ‘desmame’ dos fundos europeus nesta matéria”, frisou o presidente do CES.

O ex-ministro da Saúde socialista disse ainda à Lusa que o referencial de 2,7% que está a ser discutido na Concertação Social para aumentar salários no privado “é interessante” mas tem dúvidas sobre a sua eficácia.

“Não sei se vai ser isso [o referencial] o motor da questão” pois a melhoria dos salários depende, além da aposta na formação, de vários fatores como “a competitividade da empresa, o seu papel no mercado” mas também “pelas cabeças dos próprios empresários”.

Correia de Campos é o candidato único a um novo mandato à frente do órgão que reúne a Concertação Social.

Em 12 de dezembro, o PS propôs a recondução de António Correia de Campos como presidente do Conselho Económico e Social (CES), disse então à Lusa a líder parlamentar socialista, Ana Catarina Mendes.

A eleição será feita pelos deputados da Assembleia da República em 20 de dezembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal deve fazer “desmame” dos fundos europeus para formação, diz Correia de Campos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião