Caixa já recebeu as propostas pelo banco brasileiro. Decide comprador dentro de dois meses

Na corrida pelo brasileiro Banco Caixa Geral estavam o Banco Luso-Brasileiro, do grupo Amorim, o Banco ABC Brasil e o fundo Artesia. CGD prevê decidir comprador dentro de 60 dias.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) diz ter recebido propostas pelo banco que tem no Brasil “de acordo com o previsto” e prevê decidir o comprador nos próximos dois meses.

Terminou esta segunda-feira o prazo para a entrega de propostas vinculativas pelo Banco Caixa Geral. Como adiantou o ECO em primeira mão, na short list de candidatos estavam o Banco Luso-Brasileiro, do grupo Amorim, o Banco ABC Brasil e o fundo Artesia.

O banco liderado por Paulo Macedo não diz quem apresentou propostas, indicando apenas que recebeu ofertas “de acordo com o que estava previsto”. E acrescenta que está agora a pedir mais informações aos potenciais compradores para depois proceder à análise das propostas e à decisão do vencedor.

“Estamos agora numa fase de obtenção de esclarecimentos adicionais e posterior avaliação das propostas. Esta fase do processo, que nos processos anteriores demorou até 60 dias, inclui a avaliação e decisão da CGD para recomendação e aprovação pelo acionista”, diz a CGD em informações prestadas ao ECO.

As alienações das operações internacionais fazem parte do acordo com a DG-Comp no âmbito da última recapitalização do banco público. Este ano, a CGD já vendeu os bancos em Espanha (ao Abanca, por 368 milhões) e África do Sul (ao Capitec Bank, por 201 milhões), o que impulsionou os lucros do banco público nos primeiros nove meses do ano para 641 milhões.

Em curso, além do negócio brasileiro, está ainda a venda Banco Comercial do Atlântico, onde a Caixa detém 59%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caixa já recebeu as propostas pelo banco brasileiro. Decide comprador dentro de dois meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião