Plácido Pires vai ser presidente executivo da CGD em Angola

A CGD Angola vai ter um novo presidente executivo. Plácido Pires, um histórico da Parpública e que estava na Caixa em Espanha, vai ser nomeado na assembleia geral de sexta-feira em Luanda.

A mudança dos órgãos sociais da Caixa Geral de Depósitos em Angola vai ser votada esta semana na assembleia geral de acionistas e uma das novidades é a nomeação de Plácido Pires como presidente executivo, apurou o ECO junto de uma fonte conhecedora do processo. O Banco Caixa Geral Angola, controlado em 51% pela CGD e que tem a Sonangol como o segundo acionista mais relevante com 24%, chega a um acordo depois de meses de impasse na escolha de um nome consensual para a liderança da operação angolana.

Um histórico presidente da Parpública, uma empresa controlada pelas Finanças que tem participações acionistas do Estado em diversas empresas, Plácido Pires foi escolhido em 2012 para administrador da CGD em Espanha, à data presidido por Rudolfo Lavrador.

Agora, Plácido Pires vai ser o presidente executivo da CGD em Angola, banco que, acordo com informações que constam do próprio site, “está presente, para além de Luanda, em mais dez províncias e é uma instituição essencialmente direcionada para o segmento das grandes e médias empresas e mercado affluent“. A CGD em Luanda, recorde-se, tem como presidente da assembleia geral o advogado e comentador da SIC Luís Marques Mendes.

João Manuel Plácido Pires (1950), é licenciado em Finanças pelo Instituto Superior de Economia de Lisboa (ISE), em 1973, e mestre em Gestão (MBA) pela HEC (Lausanne), em 1981.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Plácido Pires vai ser presidente executivo da CGD em Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião