Marques Mendes vai ser presidente da assembleia geral da CGD em Angola

A Caixa Geral de Depósitos convidou Marques Mendes para presidente da Assembleia Geral do banco que tem em Angola, em parceria com a Sonangol.

Luís Marques Mendes foi convidado por Paulo Macedo, presidente da CGD, e pela Sonangol, para ser o próximo presidente da Assembleia Geral do banco público em Angola, apurou o ECO. Contactado pelo ECO, o advogado da Abreu Associados e comentador político confirmou que aceitou o convite e pôs como condição um entendimento entre todos os acionistas, o que já está assegurado.

O Banco Caixa Geral Angola, controlado em 51% pela CGD e que tem a Sonangol como o segundo acionista mais relevante com 24%, poderá realizar uma assembleia geral ainda esta semana para formalizar a nomeação de Marques Mendes. O cargo de presidente da AG está neste momento vazio, depois do pedido de demissão de António Vitorino, por causa das novas funções como diretor-geral da Organização Internacional das Migrações (OIM, uma agência da ONU).

Além de comentador da SIC, Luís Marques Mendes é conselheiro de Estado do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, advogado da Abreu, e presidente do Conselho Estratégico da sociedade, além de presidente da assembleia geral de um grupo de Saúde, a Lenitude SA.

De acordo com informações que constam do próprio site do banco em Angola, “o Caixa Angola está presente, para além de Luanda, em mais dez províncias e é uma instituição essencialmente direcionada para o segmento das grandes e médias empresas e mercado affluent“.

De acordo com os últimos números conhecidos, o banco Caixa Geral Angola registou um resultado líquido de 7.656 milhões de kwanzas (40 milhões de euros) em 2017, uma quebra de 38,1% face a 2016. A informação consta do relatório e contas divulgado pelo banco, citado pela Lusa, e que contrasta com o resultado líquido de 12.371 milhões de kwanzas do exercício de 2016, equivalente a cerca de 65 milhões de euros, à taxa de câmbio de então.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marques Mendes vai ser presidente da assembleia geral da CGD em Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião