FMI em Luanda para negociar financiamento de 4.500 milhões de dólares a Angola

  • Lusa
  • 26 Setembro 2018

O início das negociações do Programa de Financiamento Ampliado estava previsto para outubro, mas foi antecipado.

Uma missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) inicia, em Luanda, negociações com o Governo angolano para um programa de financiamento a três anos de até 4.500 milhões de dólares (3.820 milhões de euros).

De acordo com informação do Ministério das Finanças de Angola, o início das negociações do Programa de Financiamento Ampliado (EFF – Extended Fund Facility) estava previsto para outubro, tendo sido antecipado.

A missão do FMI é liderada por Mario de Zamaroczy e estará em Luanda até 5 de outubro, dando sequência ao pedido de assistência feito pelas autoridades angolanas.

Em 20 de agosto, em comunicado, o Ministério das Finanças angolano indicou ter solicitado “o ajustamento do programa de apoio do FMI [de assistência técnica, apresentado anteriormente], adicionando-se uma componente de financiamento”.

A medida, explicou então o mesmo comunicado, visa o apoio do FMI às políticas e reformas económicas definidas por Angola no Programa de Estabilização Macroeconómica e no Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022.

As autoridades angolanas indicaram, em 24 de agosto, que pretendem negociar um empréstimo de 4.500 milhões de dólares, divididos em três tranches anuais, durante o período de vigência do EFF, suportado pelo Instrumento de Coordenação de Políticas (PCI – Policy Coordination Instrument).

Ao longo destes dias em Luanda, explicou o Ministério das Finanças, a missão negocial do FMI irá manter vários encontros com diferentes membros do Governo e do Banco Nacional de Angola, bem como com gestores de empresas públicas e com o setor financeiro.

Os encontros destinam-se a “examinar as perspetivas económicas e financeiras e identificar os eixos que vão sustentar o apoio” da instituição de Bretton Woods ao Estado angolano.

O Programa de Financiamento Alargado é um mecanismo de apoio do FMI aos países-membros, criado em 1974, “para ajudá-los a solucionar problemas de longo prazo relacionados com baixo crescimento económico e défice na Balança de Pagamentos, decorrentes de profundas distorções que exijam reformas económicas profundas”, descreveu o Ministério das Finanças.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI em Luanda para negociar financiamento de 4.500 milhões de dólares a Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião