Leituras de 2016 sobre progresso e inovação

Quatro livros que tocam na educação como elevador social, nas sucessões das empresas familiares e na inovação e progresso tecnológico.

A Amiga Genial, de Elena Ferrante

A tetralogia ‘A Amiga Genial’, de Elena Ferrante, pseudónimo da escritora italiana da cidade de Nápoles que se mantém no anonimato, é um dos maiores sucessos literários e de vendas dos últimos anos.

A obra de Ferrante acompanha a relação de duas amigas, Lila e Lenú, que vivem num bairro pobre de Nápoles, ao longo da segunda metade do século XX. Numa entrevista à Paris Review, a autora refere que não pretendeu escrever sobre o processo de transformação económica e social, ou sobre a ascensão social e o peso persistente das origens de classe. Mas reconhece que um tão longo período histórico, com tantas mudanças económicas e sociais, influenciou as escolhas e as vidas das personagens.

De facto, embora as grandes questões que acompanham as personagens de ‘A Amiga Genial’ – como viver a vida? como nos relacionamos com os outros? – sejam comuns a muitas personagens de outros grandes romances, a forma como estas vivem a vida e se relacionam com os outros é determinada pelo tempo histórico em que a acção se desenrola.

Na história da vida e amizade das personagens, a autora dá-nos um grande fresco da Itália do pós-Segunda Guerra, onde as semelhanças com a experiência portuguesa abundam.

Não é possível ler ‘A Amiga Genial’ – pelo menos para um economista – sem contextualizar a história no período que ficou conhecido como Os trinta gloriosos (as décadas de 50, 60 e 70), a que muitos historiadores se referem como milagre: a taxa de crescimento duplicou face ao período anterior e a prosperidade que daí resultou permitiu atenuar os conflitos sociais que caracterizaram o período anterior à Segunda Guerra Mundial, estabilizar e legitimar os regimes democráticos e sustentar as transformações sociais associadas à urbanização e à massificação da educação.

Ao longo da obra, vamos acompanhando o crescimento das personagens e as transformações da economia e da sociedade: as estradas são alcatroadas; o comércio moderniza-se; um sapateiro da periferia passa a produzir calçado de luxo numa loja do centro da cidade; as pessoas começam a ir à praia, a comprar carro e a ter telefone; as mulheres e os trabalhadores lutam pelos seus direitos, uma luta que resulta muitas vezes em actos violentos. Todas estas transformações e conflitos estão presentes no microcosmos do bairro de Nápoles.

Mas a maior transformação, que atravessa toda a obra, é a da educação. A educação surge como um instrumento para a realização pessoal e como elevador social. Quando eram crianças, Lila e Lenú ambicionavam ser ricas. Serem ricas era a forma de se libertarem da opressão e da exclusão em que viviam os habitantes do bairro.

As duas são excelentes alunas, mas as suas famílias não percebiam a utilidade de prosseguir os estudos. Apesar disso, e por pressão da professora, Lenú permanece na escola, com grande sucesso, até concluir a universidade e se tornar escritora. Por outro lado, Lila, que era a melhor aluna e que é excepcionalmente inteligente, não tem qualquer apoio da família, e abandona os estudos com 10 anos.
Lenú percebe que ser a melhor aluna é a via “para vir a ser qualquer coisa…”, no fundo, para poder quebrar a imobilidade a que todos pareciam condenados no bairro, sobretudo as mulheres.

No entanto, vai percebendo que a educação não desvanece todas as barreiras sociais. Por outro lado, o crescimento económico naquelas décadas mudou profundamente a vida do bairro – Lila e o marido, que não estudaram, tornam-se empresários bem-sucedidos de uma empresa informática. Mas as melhorias materiais não impedem as misérias morais, que persistem no bairro.

O percurso muito diferente das duas amigas não as afasta. Lenú continua a voltar ao bairro onde cresceu e percebe que, apesar de toda a mudança, a “ligação entre o passado e o presente na realidade nunca se desfizera…”.

Os Buddenbrook – Declínio de uma família, de Thomas Mann

Durante a leitura da tetralogia de Elena Ferrante, fui estabelecendo relações com um outro livro muito importante que li este ano: ‘Os Buddenbrook – Declínio de uma família’, de Thomas Mann. Este é um dos poucos clássicos da literatura que me lembro de ver citado num manual de economia, o Economics de Paul Samuelson.

O primeiro romance de Thomas Mann descreve o declínio da casa comercial de uma família burguesa do Norte da Alemanha, no século XIX. Thomas Buddenbrook herda o negócio do pai, fundado pelo avô, mantendo-se fiel aos velhos códigos.

Num mundo em acelerada mudança económica e política, não tem a capacidade de se adaptar aos novos tempos e é ultrapassado pelos novos empresários.

A questão da sucessão nas empresas familiares, que continuam a ser muito importantes na Alemanha (como em Portugal), é ainda hoje de grande relevância. Em ‘Os Buddenbrook’, a sucessão na direcção da empresa, como a escolha do cônjuge, era determinada pela tradição.

Num mundo em mudança, as escolhas ditadas pela tradição condenaram a empresa à falência e os elementos da família a um final infeliz. Um tema subliminar em ‘Os Buddenbrook’ é a impossibilidade de realização de Antonie, a irmã de Thomas, que talvez fosse o elemento da família com o perfil mais adequado para assumir a direcção da empresa. No entanto, dada sua condição de mulher, essa possibilidade não se colocava (embora seja verdade que na única intervenção que teve na empresa, propondo a realização de um contrato de futuros, o resultado foi ruinoso).

Os Inovadores, de Walter Isaacson, e The Second Machine Age, de Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee

‘Os Inovadores’, de Walter Isaacson, e ‘The Second Machine Age’, de Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee, são dois livros fundamentais, e cuja leitura se complementa, para compreendermos as origens da revolução digital e as suas consequências para o funcionamento das economias e para a organização das sociedades.

Os Inovadores é provavelmente candidato a melhor história de sempre dos computadores e da internet ou da revolução digital. Nesta história, Isaacson destaca a importância do trabalho em equipa, das equipas interdisciplinares (contando com a presença de alguns génios), das lideranças, de um ambiente favorável à criatividade e à inovação, da colaboração entre o Estado, as universidades e as empresas.

Esse ambiente colaborativo levanta muitas questões fundamentais e conflitos relacionados com a autoria e os direitos de propriedade intelectual e industrial ou o uso de recursos públicos para benefício privado.

‘Os Inovadores’ lê-se compulsivamente, porque junta uma visão das grandes mudanças com episódios deliciosos da vida dos inovadores e gestores.

‘The Second Machine Age’, de Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee, complementa a descrição da história da revolução digital de Isaacson, na medida em que discute o impacto da tecnologia na economia e na sociedade. Brynjolfsson e McAfee estão entre os mais destacados optimistas tecnológicos.

Do lado dos pessimistas, destacam-se autores como Robert Gordon e Tyler Cowen, que consideram que a revolução digital não tem a mesma capacidade de gerar crescimento económico que tiveram as revoluções tecnológicas anteriores.

Apesar de identificarem riscos e efeitos negativos, os autores de ‘The Second Machine Age’ defendem que a revolução digital vai aumentar a variedade e quantidade de bens disponíveis para consumo, dando à sociedade mais escolha e mais liberdade.

A principal força por detrás desses benefícios é a digitalização de tudo, com custo marginal de reprodução igual a zero, permitindo a difusão de conhecimento de forma instantânea entre mais pessoas.

Os autores reconhecem os efeitos negativos da revolução digital no emprego e na distribuição do rendimento e da riqueza, em particular para os trabalhadores com baixas qualificações. O rendimento e a riqueza concentram-se num pequeno grupo de criadores e inovadores, cuja remuneração do talento beneficia da digitalização e globalização.

Brynjolfsson e McAfee concluem com uma discussão sobre as competências em que os trabalhadores têm vantagem sobre os computadores e as alterações necessárias nos sistemas de ensino.

A boa notícia é que a própria revolução digital pode facilitar o acesso à educação necessária para ganhar a corrida com a tecnologia. E defendem também medidas como impostos mais elevados para os rendimentos mais elevados como forma de corrigir as desigualdades geradas pela revolução digital. E não se esquecem de reforçar a importância de preservar um sistema capitalista, isto é, um sistema económico descentralizado com a propriedade privada dos meios de produção.

Referências

  • Elena Ferrante. A Amiga Genial (quatro volumes). Relógio D´Água
  • Thomas Mann. Os Buddenbrook – O declínio de uma família. D. Quixote. Tradução de Gilda Lopes Encarnação.
  • Walter Isaacson. Os Inovadores. Porto Editora.
  • Erik Brynjolfsson e Andrew McAffe. The Second Machine Age. Norton

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Leituras de 2016 sobre progresso e inovação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião