Costa admite que “crescimento é poucochinho” em programa de TV humorístico

  • Lusa
  • 31 Dezembro 2016

O primeiro-ministro admitiu que o "crescimento é poucochinho", num programa humorístico da TVI24. Sobre a geringonça, concordou com a comparação aos "casamentos modernos", "cada um na sua casa".

O primeiro-ministro admitiu que o crescimento económico em Portugal “é poucochinho”, num programa humorístico da TVI24, e concordou com a comparação entre os acordos com BE, PCP e PEV e “casamentos modernos”, “cada um na sua casa”.

O líder socialista, António Costa, participou no “Governo Sombra”, transmitido entre sexta-feira e sábado e moderado pelo jornalista Carlos Vaz Marques, ao lado do cómico e colunista Ricardo Araújo Pereira, do escritor e assessor para a cultura do Presidente da República, Pedro Mexia, e do comentador político João Miguel Tavares.

“Não é preciso ser Natal [para admitir]. É evidente que todos gostávamos de crescer mais. Não gostava? Eu gostava. É poucochinho, claro que é, como é evidente, claro que queríamos mais“, assentiu, instado por Tavares a reconhecer que as previsões do executivo ficaram aquém do esperado, tal como tem vindo a defender a oposição PSD/CDS-PP.

Costa, respondendo a Tavares, afirmou que, “se olhar para o contexto global [desemprego, aumento de rendimentos]”, os dados são positivos.

Quanto à dívida pública, para o ano, quando me convidar, já engole essa (…) para o ano já vai ser menor“, assegurou.

Desafiado por Vaz Marques e Mexia sobre a denominada “geringonça” e a possibilidade de vir a beneficiar de uma maioria absoluta, o chefe do executivo do PS sublinhou que “o sucesso deste Governo depende precisamente da existência dos parceiros” e que poderá “ser mais reformista”, recusando que os líderes bloquista e comunista sejam “o verdadeiro governo sombra”.

“Isto é uma solução que não é uma coligação tradicional. Nas tradicionais, os partidos fingem que estão todos de acordo. Nesta solução, cada partido assume as suas diferenças e até, alguns, disfarçam algumas vezes as concordâncias. É ao contrário do habitual, mais original, mas funciona”, disse, acrescentando: “E quem sabe se durará mais que outros casamentos“.

João Miguel Tavares tinha sugerido que as posições conjuntas assinadas entre PS, BE, PCP e PEV são “como aqueles casamentos modernos, em que cada um vive na sua casa e só se juntam nas ocasiões felizes”.

Sobre o processo criminal que impende sobre o antigo secretário-geral socialista e também antigo primeiro-ministro José Sócrates, por alegadas práticas de corrupção, Costa, ex-ministro da Justiça, desejou que, “quando há alguma suspeita sobre alguém, essa suspeita seja esclarecida”, com o visado a ter direito a dar a sua versão “da verdade” em contraponto a outras.

Ricardo Araújo Pereira equiparou as respostas do primeiro-ministro às réplicas “galvanizadoras e de compaixão para com os adversários” de uma “miss Universo”, nomeadamente face ao ex-primeiro-ministro e presidente do PSD, Passos Coelho, gerando gargalhadas entre todos os participantes.

Entre outros assuntos internacionais, confrontado com uma hipotética escolha, nas eleições presidenciais francesas e numa previsível segunda volta, entre o candidato da direita moderada e da extrema-direita francesas, respetivamente François Fillon e Marine Le Pen, o primeiro-ministro não hesitou – “Fillon”, reconhecendo o falhanço no mandato do membro da sua família política, François Hollande.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa admite que “crescimento é poucochinho” em programa de TV humorístico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião