O bolo, as fatias e as migalhas

Adianta pouco andar a discutir que fatias cabem a cada um dos grupos sentados à mesa do orçamento. A questão é mesmo o tamanho do bolo.

Neste século, Portugal cresceu a uma média de 0,2% por ano, em termos reais. Basicamente, não crescemos. No mesmo período, o Orçamento de Estado representou sempre e teimosamente algo entre 45% e 55% do PIB. O peso das rubricas de “Despesas com o Pessoal” e “Prestações Sociais” e afins (entenda-se, funcionários públicos, pensionistas e beneficiários de apoios sociais) representa mais de 80% da despesa primária e tenderá a aumentar pela pressão demográfica. O Orçamento de Estado é financiado quase exclusivamente (mais de 85%) por impostos.

Chega de números, façamos a tradução em português de gente: se o PIB não crescer, a melhoria – aliás, a própria manutenção – do Estado Social e da qualidade dos serviços públicos implicará cada vez mais impostos. Isto no pressuposto que não nos podemos continuar a endividar indefinidamente, o que suponho que poucos contestarão.

Tudo isto é evidente e não pode deixar de ser conhecido de todos, a começar pelo Governo em funções. Seria, pois, natural que as prioridades políticas se concentrassem no aumento do produto, dentro dos constrangimentos a que ainda estamos sujeitos por via dos compromissos assumidos com Bruxelas para eliminar o défice estrutural.

Acontece que não existem mil maneiras de aumentar o PIB de um país, as parcelas são aliás, essencialmente, apenas quatro: o consumo privado, o consumo público, o investimento e a procura externa (líquida das importações).

A composição do PIB

A essência da política económica é escolher de que forma se pretende atuar sobre qual das parcelas. Este Governo optou, de início e no seu primeiro orçamento, por privilegiar a parcela do consumo privado. A reposição dos cortes nos salários e pensões levaria a um aumento daquela parcela em 2%, com um impacto de cerca de 1,2% no PIB, já que o consumo privado representa cerca de dois terços do produto português. Os restantes 1,2% de crescimento (2,4% era o cenário de crescimento previsto pelos 12 economistas do PS antes das eleições) viriam das outras parcelas.

A julgar pelos dados da execução orçamental finalmente disponibilizados, o que fica claro é que as previsões relativas ao consumo privado se mostraram essencialmente corretas, enquanto as previsões quanto às demais parcelas falharam estrepitosamente. O consumo público caiu, o investimento caiu, as exportações líquidas estagnaram (e se não fosse o Turismo…).

Em retrospetiva, isto não é uma surpresa, já que não só não houve medidas concretas de estímulo as estas parcelas, como a adoção de uma espécie de retórica anti-capitalista pelos partidos que apoiam o Governo constituiu, na prática, um desincentivo ao investimento – nacional e estrangeiro – na economia portuguesa. A psicologia conta, e muito, nas decisões dos agentes económicos.

Na essência, o modelo de desenvolvimento e crescimento assumido no Orçamento de Estado para 2016, estava errado. Seria, por isso, natural que o Governo viesse corrigir essa visão, certo?

Nada disso, a julgar pela proposta de Orçamento de Estado para 2017. Nela continuamos a não encontrar medidas significativas de estímulo ao investimento ou às exportações. Permanece a prioridade absoluta dada à reposição de salários e pensões públicas sem qualquer reconhecimento do facto que, durante a crise, os cortes nos salários (e nos empregos) dos trabalhadores privados foram ainda mais gravosos. E, espera-se, certamente por milagre, que a iniciativa privada veja neste orçamento um sinal de que chegou a altura de voltar a investir.

Apesar deste otimismo subjacente ao modelo, o OE 2017 prevê um crescimento de apenas 1,5% (menos de metade dos 3,1% previstos no já referido documento ‘Uma década para Portugal’). Dirão alguns que os compromissos assumidos com a UE obrigam a concentrar os esforços na redução do défice, prejudicando o crescimento económico. Só que de acordo com os próprios números do Governo, mesmo o pequeno crescimento previsto irá justificar 60% (!) da redução do défice orçamental prevista neste orçamento, como se pode verificar no quadro seguinte (p.37 do Relatório do Orçamento de Estado para 2017).

Fonte: Ministério das Finanças
Fonte: Ministério das Finanças

 

A mensagem deveria estar clara para todos: adianta pouco andar a discutir que fatias cabem a cada um dos grupos sentados à mesa do orçamento. A questão é mesmo o tamanho do bolo. Quem investe reprodutivamente? Quem cria emprego? Quem gera riqueza? Que condições têm? De que precisam? Sem respostas cabais a estas questões e sem o reflexo das respostas nas políticas públicas, não voltaremos a crescer economicamente.

E se não crescermos, em breve não estaremos a discutir as fatias, mas apenas as migalhas que cabem a cada um.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O bolo, as fatias e as migalhas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião